CDS exige esclarecimentos sobre "grande logro" de pensões de longas carreiras contributivas

"O Governo está a enganar as pessoas a quem disse que não iria atribuir qualquer penalização", acusou o deputado do CDS, Filipe Anacoreta

O CDS-PP exigiu hoje ao Governo esclarecimentos sobre o que diz ser o "grande logro" das garantias dadas de ausência de penalização nas reformas antecipadas de longas carreiras contributivas, que estará a ocorrer pela retirada das bonificações.

"Isto não pode deixar de ser lido como um grande logro, um grande engano. O Governo está a enganar as pessoas a quem disse que não iria atribuir qualquer penalização. As pessoas julgavam que se se reformarem antecipadamente nestes casos têm direito à totalidade da pensão que teriam no final da sua carreira contributiva, mas, afinal verifica-se que o Governo está a penalizar estas pessoas", defendeu Filipe Anacoreta, que falava aos jornalistas no parlamento.

De acordo com o deputado do CDS-PP, citando o guia prático da pensão de velhice, disponível no sítio da Internet da Segurança Social, numa pensão de mil euros o valor das bonificações pode alcançar 37%, ou seja, 370 euros, enquanto a não aplicação das penalizações representa 14,5%, ou seja, 145 euros.

A primeira coisa que o CDS exige é que o Governo assuma aquilo que está a falar e diga aos portugueses que estão nestas circunstâncias em que condições se podem reformar antecipadamente

Os centristas entregaram hoje, no parlamento, uma pergunta ao Ministério do Trabalho e da Segurança Social exigindo esclarecimentos sobre esta matéria.

"A primeira coisa que o CDS exige é que o Governo assuma aquilo que está a falar e diga aos portugueses que estão nestas circunstâncias em que condições se podem reformar antecipadamente", desafiou Filipe Anacoreta.

"Esperamos que o Governo esclareça e que não se verifique aquilo que suspeitamos, de que o Governo está a enganar os portugueses, está a enganar os mais vulneráveis, está a enganar, em concreto, as pessoas que têm longas carreiras e a quem disse que não iria penalizar se se reformassem antecipadamente", vincou.

Em causa estão as carreiras contributivas iguais ou superiores a 48 anos, ou trabalhadores que iniciaram a sua atividade profissional com 14 anos ou idade inferior, e que tenham aos 60 anos, pelo menos 46 anos de carreira contributiva

A Segurança Social aprovou 9.714 reformas antecipadas ao abrigo do novo regime das longas carreiras contributivas, que permite a pensão sem cortes, segundo dados do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social avançados à Lusa na sexta-feira.

O novo regime permite que as pessoas com muito longas carreiras contributivas e que tenham 60 anos ou mais de idade, possam reformar-se sem cortes na pensão. Em causa estão as carreiras contributivas iguais ou superiores a 48 anos, ou trabalhadores que iniciaram a sua atividade profissional com 14 anos ou idade inferior, e que tenham aos 60 anos, pelo menos 46 anos de carreira contributiva.

Para estes dois grupos, deixa de ser aplicado o fator de sustentabilidade (14,5%) e as penalizações de 0,5% por mês por antecipação face à idade normal de acesso à pensão de velhice, que é de 66 anos e quatro meses.

Porém, segundo o Jornal de Negócios de sexta-feira, quem tem direito à reforma antecipada sem cortes perde, por outro lado, as bonificações previstas na lei para quem tem muitos anos de descontos.

Também na sexta-feira, o ministro Vieira da Silva garantiu que estes são "casos marginais" e que as pessoas com longas carreiras contributivas que se reformem antes da idade legal não vão sofrer "nenhum corte" nas suas pensões, sendo-lhes aplicado o regime mais favorável.

Do total das pensões aprovadas, apenas 1% tem cálculo superior ao valor da sua pensão com a aplicação do regime da flexibilização (ou seja, com Fator de Sustentabilidade).

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.