"Há rumores que correm por aí de que não sou eu que escrevo os livros. É a minha mulher e eu só ponho o nome"

Depois de ter lançado dois volumes de uma trilogia, sempre acompanhados de polémicas pessoais, o autor que mais vende em Portugal acusa as máquinas partidárias de estarem por trás desses casos. E considera que todos os políticos são económicos no que respeita à verdade

Quando entra no Hotel Palácio, no Estoril, José Rodrigues dos Santos é reconhecido por todos os funcionários. Não é por acaso, além de entrar pelas casas dos portugueses quase todas as noites durante o noticiário da RTP, também é o autor que mais livros vendeu em Portugal na última década. E não é só a nível nacional, pois nas livrarias FNAC francesas já esteve no topo da tabela com A Fórmula de Deus, tal como em alguns outros países, dos muitos onde está traduzido. Aliás, somar três milhões de exemplares vendidos não é um número ao alcance de mais nenhum escritor nacional a não ser o caso do prémio Nobel José Saramago. Situação que com mais dois ou três livros será invertida.

O autor está a fazer as revisões do terceiro volume da sua trilogia, O Reino do Meio, e está stressado com a falta de tempo. No entanto, a conversa rola e a hora marcada para terminar é ultrapassada em dezenas de minutos. Após a entrevista, ainda falta a sessão fotográfica, momento em que posa sem pressa. E que aproveita para atar as pontas de algumas respostas que não quer deixar soltas, principalmente no que toca - dizem - à sua facilidade em promover polémicas por altura do lançamento de cada novo romance.

Nos tempos em que era diretor do Expresso, José António Saraiva publicou alguns romances e até avançava que ia ganhar o Prémio Nobel. Com tanto sucesso, também já alguma vez pensou nisso?

Não, não tenho esse tipo de pretensões. Escrevo os livros que gosto de escrever e que gostaria de ler, os que não encontro no mercado. Essencialmente, escrevo coisas que me façam aprender e a minha ambição começa e acaba aí.

Tem dito que não consegue encontrar nada para ler que lhe agrade o suficiente.

Não é bem assim, encontro muita coisa que me agrade. O que estou a dizer é que os livros que escrevo são os que gostaria de ler e que não encontro no mercado. Por exemplo, um romance que me contasse uma história ficcional em torno de descobertas verdadeiras da ciência sobre Deus. Esse livro não existe, portanto escrevi-o. Se perguntasse: não gosta do Eça de Queirós? Adoro. Ou seja, não estou a dizer que não há outros livros muito bons no mercado, mas o que não encontro são thrillers que tratam de mistérios reais em vez do que é ficcional. Se esses livros já existissem no mercado, então limitar-me-ia a lê-los como faço com muitos outros livros. Essa frase que eu disse foi interpretada de um modo tão absurdo que me custa acreditar que as pessoas tenham acreditado que tenha dito uma coisa dessas.

Acha que é mal compreendido de propósito?

Não sei, acho que cada pessoa tem a sua própria motivação. Nuns casos será isso, noutros fui mal citado. Como disse, o que me interessa na ficção é a ligação forte com a realidade. Como no meu livro A Fórmula de Deus, em que nos entretemos e aprendemos sobre vários temas de história, ciência ou política.

Dan Brown também não faz isso?

Não faz bem isso, o Dan Brown pega na realidade e altera-a para servir a sua ficção. Eu nunca mudo a realidade nem lhe dou toques por conveniência ficcional como o Dan Brown faz.

Também temos o caso de Umberto Eco em, por exemplo, O Pêndulo de Foucault e em O Nome da Rosa.

De certo modo sim, até estaria mais próximo do tipo de coisas que faço. Embora, lendo um livro do Umberto Eco e um meu se perceba que são autores diferentes. Mas esse uso da ficção para contar coisas verdadeiras está presente na obra de Eco, tal com o tipo de coisas que me interessa.

Então, ao iniciar um livro começa a pensar naquilo que queria ler?

Não, interessa-me um tema, o que é que há sobre ele e o que posso contar que seja relevante socialmente em matéria de conhecimento. Interessa-me também pegar em temas sobre os quais existe um consenso e mostrar que é sustentado sobre bases falsas.

Dê um exemplo.

Se acontece na minha pesquisa descobrir que não há novidade nesse tema, não pego no romance. Não foi o caso de quando tratei das três grandes religiões e verifiquei que os consensos que existiam podiam ser desmontados. Foi o que fiz com o cristianismo em O Último Segredo, o islamismo em A Fúria Divina e o marxismo, que é uma religião secular, Em As Flores de Lótus e O Pavilhão Púrpura e naquele que será o último volume da trilogia.

Tocar nas religiões não é perigoso?

As religiões são sistemas de pensamentos que se baseiam em dogmas e em tabus que não podem ser questionados e que evoluem historicamente. Quando se recorda a origem do sistema cria-se muito incómodo porque reivindicam continuar a ser a mesma coisa que estava na sua origem mas que está totalmente diferente. Quando falei do cristianismo em O Último Segredo houve uma reação indignada da Igreja. Perguntei: há algum erro? Não, responderam, pois o que estava no livro não é nenhuma novidade para os entendidos, apenas para o grande público. Ninguém sabia que a própria Bíblia tem indícios de que Maria não era virgem, que Marcos e Lucas não escreveram os evangelhos com os seus nomes. Na Fúria Divina mostro toda a sustentação da violência da jihad pois Maomé era um chefe guerreiro. A mesma coisa com o marxismo, quando mostro a relação que há com o fascismo.

Mesmo que vá longe de mais nisso do marxismo e do fascismo!

Quem conhece a investigação sobre esta matéria sabe que isto é mais ou menos pacífico. Compreendo que tanto os fiéis da religião como os marxistas reajam mal, até por ignorância.

Acha mesmo que venceu o debate sobre o marxismo e o fascismo?

Ninguém conseguiu desmentir o que escrevi no livro e num texto de opinião que publiquei, em que mostrava que havia historiadores a dizerem a mesma coisa que eu. Até foi estranho que um historiador tivesse começado o seu artigo por desmentir afirmações que eu não tinha feito. É difícil desmentir que o fascismo tem origens no marxismo porque é verdade. Eu nunca pretendi que isto fosse um facto novo, aliás, em toda a minha obra não digo coisas novas para os especialistas.

Fez-me lembrar quando o Herman foi suspenso da RTP por uma "entrevista" à rainha Santa Isabel

Conseguiu vencer essa guerra ou é mais um equívoco na sua biografia?

Isto não é uma guerra, estou a explicar a verdade. Se considerarmos que houve um debate sobre isto, por um lado foi bom mas por outro é provinciano. Fez-me lembrar quando o Herman José foi suspenso da RTP por causa de uma "entrevista" à rainha Santa Isabel. Hoje, é ridícula a polémica que então aconteceu, daqui a uns tempos será pacifica a minha. Acho estranho que os historiadores tentem fingir que isto do marxismo e do fascismo não seja verdade.

Não vou alimentar essa polémica. Como trouxe à conversa o episódio de o Herman José ter sido suspenso, alguma vez teve receio de que pudesse acontecer-lhe o mesmo?

Isso não faz sentido nenhum.

Com este debate tão grande...

Primeiro, porque é um debate na área da literatura e faz parte da arte provocar e tocar no proibido. Quando D.H. Lawrence escreveu O Amante de Lady Chatterley, tocou no proibido; quando Flaubert escreveu Madame Bovary também, ou o Eça em O Crime do Padre Amaro. Quando o Herman fez a entrevista histórica tocou no proibido também. Hoje escrever sobre adultério ou sexo, ou fazer rir com figuras históricas é uma coisa normal. Portanto, isto faz parte da vida, é uma polémica do meu lado artístico.

Enquanto escreve não está preocupado com a mossa que isso lhe vai causar enquanto jornalista?

Não, não é possível acontecer. Uma vez o escritor Martin Amis disse-me isto: "Não é possível ser-se escritor se não se for livre." Se um escritor não pode dizer o que pensa não é um escritor livre e não faz literatura. Podemos achar que literatura tem que ver com estilo, mas há uma verdade que é eterna: a literatura tem sempre que ver com a nossa liberdade de exprimir ideias, de suscitar polémica e de tocar no proibido. A arte está cheia disso, no cinema, na escultura, na pintura ou na poesia.

No jornalismo, o tema Angola, por exemplo, está proibido.

Sim, mas o jornalismo não é um género artístico.

Quando, repito, começa a escrever, preocupa-se com o leitor?

Sim, a minha formação é de jornalista. Profissionais que têm duas características na forma como escrevem: procuram fazê-lo de maneira clara e interessante. E penso, será que o meu leitor está interessado nisto? Essas duas características da escrita jornalística são as que transporto para os romances. Faz-me muita confusão ler entrevistas em que os autores dizem "eu não quero saber do leitor para nada". Então, porque é que publicam? Podiam escrever os livros na mesma e não deixavam ninguém ver. Para mim, isso só pode ser pose.

No seu caso, essa liberdade também se deve a ter emprego pois já vendeu três milhões de livros?

Apesar de termos constrangimentos e movimentos sociais censórios e de bullying, principalmente na internet, muitas vezes manipulados pelos partidos (ler texto final), na verdade somos uma sociedade essencialmente livre. Faz parte de um direito que temos de cidadania. Ninguém retira esse direito só porque tenha vendido muito ou pouco. Isso é um pouco irrelevante.

Como é a relação com a crítica?

Não há uma relação, nem eu trabalho para a crítica, portanto não é tema que me preocupe muito. Tenho muito boa imprensa no estrangeiro, em Portugal tenho alguma boa imprensa, outra não.

Não há uma relação, nem eu trabalho para a crítica, portanto não é tema que me preocupe muito

Mas não ficou surpreendido quando no Público, por uma única vez, lhe deram cinco estrelas ao romance O Anjo Branco?

Não, não fiquei. É um bom livro.

A Fórmula de Deus também se pode dizer que é um bom livro e não recebeu cinco estrelas...

Se calhar não o leram. Esse livro, disseram-me há duas semanas em França, é recomendado nas universidades para introdução de temas sobre ciência. Quando em Portugal se fala de um autor, não estamos a pensar na sua obra mas se gostamos ou não da pessoa. No estrangeiro, esses fatores não se colocam porque estão unicamente a ler a obra, É assim que tenho, de longe, as melhores críticas, o que me dá segurança. Se a crítica é má, o livro não perde credibilidade, é o crítico quem perde a credibilidade. É importante que isso se esclareça entre nós.

Não está a diminuir o papel da crítica exageradamente?

Basta ver que quando em Inglaterra um autor ganha o [Prémio] Booker, as vendas dos livros disparam totalmente, ou na América com o Pulitzer; em Portugal, ganha-se um prémio e as vendas continuam más. Porquê? Falta de credibilidade. Ainda estamos muito agarrados à ideia do nouveau roman, de que a literatura é um mero exercício de linguagem. É uma ideia do século XX que em muitos países já foi abandonada, ou foi-se para lá disso. Há pessoas que continuam a escrever dessa maneira em Portugal e é legitimo, mas parece que é proibido escrever de uma outra maneira.

Se O Anjo Branco teve cinco estrelas e a maior parte dos seus livros passam despercebidos nesse jornal, não terá sido uma crítica parcial, por interesse no tema?

Cada pessoa avalia segundo critérios que são seus. Há, no entanto, algo que me faz confusão porque descobri que nas universidades em Portugal os cursos de Literatura ensinam critérios para avaliar a qualidade de uma obra! Faz-me lembrar o filme do Robin Williams, o Clube dos Poetas Mortos, em que o professor diz aos alunos para rasgarem todas normas porque não é possível reduzir um poema a um conjunto de critérios de régua e esquadro. A arte é a rutura de critérios; de repente vem o Duchamp e apresenta um urinol como uma escultura, em que viola todos os critérios que existiam.

Situação que as editoras portuguesas não fazem ao publicarem sempre com o mesmo critério?

Aí estamos a falar de uma coisa diferente. A edição em Portugal é das poucas áreas da cultura que não é subsidiada e os editores vivem do que vendem. Portanto, isto suscita comportamentos defensivos da parte dos editores, que procuram correr menos riscos. Estão a arriscar o seu próprio dinheiro.

Há quem diga que é sócio da editora que o publica. É verdade?

Isso não é verdade, já soube desse rumor pelo meu próprio editor. Até há outros rumores que correm por aí, os de que não sou eu que escrevo os meus livros, que é a minha mulher e eu só ponho o nome, ou que tenho ghost-writers... Isso dá-me vontade de rir, mesmo que não faça sentido. Os rumores correm sempre e não podemos fazer nada contra eles.

O que prefere fazer: a investigação ou a escrita do livro?

Tudo tem o seu momento. A investigação é uma altura de descoberta e de estruturação de ideias. Depois, a escrita é o corporizar de um conjunto de ideias que nascem da investigação. A única parte mesmo chata de um livro é a revisão, porque tenho de ler quatro, cinco, seis vezes, e começo a ficar sem paciência à medida que o tempo vai passando.

O seu romance A Ilha das Trevas foi escrito em 15 dias apenas...

Foi.

Como é que se conseguem fazer 200 páginas em 15 dias?

Devo ter escrito umas 15 páginas por dia. Começava à noite e terminava pelas cinco ou seis da manhã. Dormia um pouco, acordava e escrevia mais um pouco. Nunca mais voltei a fazer a experiência pela simples razão de que não é a melhor maneira de escrever. Mas há casos destes, como O Estranho Caso de Dr. Jekyll e Mr. Hyde, que foi escrito numa noite. O Robert Louis Stevenson terá tido um pesadelo, acordou e escreveu a história de imediato. Claro que depois há acertos que levam mais algum tempo. O Miguel Sousa Tavares também diz que quando lhe vem uma ideia começa a escrever até esgotar tudo.

Que é o seu único rival em vendas em Portugal!

Sim, nem sei se até não venderá mais. O que se passa é que ele publica menos e eu, um livro por ano.

No total, ele não vende mais.

Não sei, o Equador vendeu muitos exemplares [420 mil] até agora. O que é absolutamente extraordinário. Julgo que O Código Da Vinci, do Dan Brown, também andou nessa quota. Os meus livros normalmente atingem os 200 mil exemplares, pelo menos uma meia dúzia deles. 400 mil é basicamente toda gente que lê. O número de pessoas que compram livros em Portugal são 400 mil, portanto significa que tem um share de 100%.

Leu o Equador?

Com certeza que li. Não sei o que é que o pessoal das universidades vai um dia escrever sobre ele, mas é um livro que é um ponto de viragem no panorama editorial na literatura em Portugal, porque recupera na íntegra a tradição narrativa. Para ele, o estilo deixa de ser o mais importante e o que quer é contar a história. É a recuperação da literatura na sua forma original, como começou por ser e continuou durante séculos desde a Epopeia de Gilgamesh.

António Lobo Antunes, por exemplo, recusa contar uma história.

Atenção, não digo que isso esteja errado, é uma corrente e é legitimo. O que estou a dizer é que a literatura não se resume a isso e quando a Isabel Allende diz que o nouveau roman ia matando a literatura é no sentido em que o leitor não se revê e não consegue ler os livros, desinteressando-se pela leitura.

Já leu o Lobo Antunes?

As crónicas sim, os romances não.

Prefere José Saramago?

Isso é um bocado a conversa do Ronaldo e do Messi. O Saramago é um autor totalmente diferente, um contador de histórias. Ele disse-me que não, que o mais importante era a escrita, mas não é o que encontramos nos seus livros. Vivem da história: o Ensaio sobre a Cegueira é um romance genial por causa da história, não é pela forma como está escrito.

E dos novos escritores portugueses da última década, há algum que lhe interesse mais?

Não os leio, mas não é por má vontade, antes porque não tenho tempo. Lendo os meus romances, percebe-se que tenho muita pesquisa. Fui de férias e levei um livro para leitura de prazer - os contos de Somerset Maugham, The Mixture as Before -, o resto são leituras para os meus romances.

(Somerset Maugham) é a influência que em termos literários se nota na minha literatura

Faz o mesmo que as suas filhas, que também não o leem?

A minha filha mais velha lia, aliás, pediu-me para eu lhe levar As Flores de Lótus e O Pavilhão Púrpura nas férias. Ela vive em Inglaterra e quer ler mais em português.

Como é escrever duas mil páginas como é o caso desta trilogia?

Meti-me em grandes trabalhos quando decidi contar a história dos totalitarismos através da vida de quatro personagens. É como naquelas corridas em que se põe uma lebre à frente do cão. O cão corre mas a lebre continua a afastar-se sempre. Tive essa impressão enquanto escrevia, escrevia, escrevia e nunca mais acabava. Os romances históricos são infernais a nível de pesquisa, porque temos de estar com muito cuidado com os anacronismos, um problema que não tenho com os livros do Tomás Noronha.

Houve algum romance seu que o deixasse frustrado por não ter conseguido ir até onde se tinha proposto?

Na fase de construção sim, no final não. Já me aconteceu estar com o romance e sentir que ele não estava bem, que havia coisas que não estavam a funcionar. A solução é não publicar e voltar a trabalhá-lo até poder dizer-se: está perfeito.

Qual é o livro de que mais gosta?

Essa é a pergunta clássica...

Nunca a respondeu até agora?

Não, porque não consigo escolher. Gosto de vários romances, que escrevi por razões diferentes. Não consigo responder à pergunta...

Então, de qual gosta menos?

O de que menos gosto... Há um romance que hoje escreveria de maneira diferente: O Codex 632. Curiosamente, foi o que mais vendeu. É um romance que hoje começaria de uma outra maneira, mas o que lá está também é interessante. Acontece-me o mesmo que aos jogadores de futebol, podem ser muito bons no treino mas só evoluem quando jogam. A escrita do romance é a mesma coisa, mas mesmo assim o Codex tem uma certa frescura por ser uma voz original.

Não retirava a cena da sopa de peixe com leite materno?

Não, não, a cena da sopa é uma cena fantástica! O que se passou foi que houve um blogue que resolveu gozar - as cenas de sexo são sempre paus de dois bicos - e, de repente, toda gente o citou o mesmo sem ler. Mas aquilo é uma boa cena de erotismo.

O Codex foi ponderado como filme em Hollywood. Isso ainda vai acontecer?

Não, porque com a crise os projetos pararam todos. Neste momento está em marcha um projeto americano com A Fórmula de Deus, com a Belway, que é a maior produtora da Bélgica. Esperam que o filme saia em 2018, pois já têm o financiamento assegurado e o protagonista parece que será Jake Gyllenhaal.

A Fórmula de Deus saiu nos Estados Unidos com o título O Enigma de Einstein. Também lhe apararam muito da história?

Desta vez não, pois fizeram isso com o Codex, No caso de A Fórmula de Deus não, deram-me a tradução para ler e eu próprio é que introduzi algumas alterações, pequenas, que depois também mudei na versão portuguesa. Retirei uma página ou duas e ficou mais ágil.

O que muda na sua vida enquanto escreve um romance?

Escrever faz parte da minha vida normal. Acordo de manhãzinha e começo logo a trabalhar. A manhã é sempre muito produtiva.

Entre as suas influências, há algum escritor que se destaque?

Somos influenciados por todos os escritores que lemos, incluindo aqueles de quem não gostamos. A minha maior influência será do Somerset Maugham, porque é um autor que tem uma escrita com que me identifico: muito simples e clara, capaz de tocar em temas de grande profundidade sem parecer complicado. Essa é a influência que em termos literários se nota na minha literatura.

Tem evoluído ao longo da escrita dos vários livros?

Sim, sobretudo na parte do romance histórico. No resto, acho que me mantive mais ou menos fiel ao meu estilo e ao original que encontramos em A Filha do Capitão. Sempre a ideia, um tema, uma história, um princípio e um fundo filosófico. No caso de A Filha do Capitão era o destino, no caso de As Flores de Lótus é como nos governámos bem e a filosofia política, em O Anjo Branco é o bem e o mal, em O Milionário de Lisboa e O Homem de Constantinopla é o belo e a filosofia estética. São elementos que vamos encontrar sempre nos meus romances históricos. Nos thrillers, houve algumas evoluções técnicas na construção da narrativa e no acentuar mais a parte de thriller.

Aprendeu alguns truques literários nas entrevistas que fez a outros escritores?

Não diria isso. Cada autor tem a sua voz e a sua maneira de escrever. Apenas aprendi com os outros escritores que somos todos muito parecidos uns com os outros. Eu trabalho por metas e tenho um objetivo diário, pensava que era uma coisa só minha e vim a descobrir que quase todos os artistas fazem isto. Portanto, foi interessante descobrir coisas que não são novas mas em que confirmei não ser tão diferente dos outros. Há uma afirmação interessante que o meu agente literário em Nova Iorque disse uma vez: "Quando vemos um autor que tem êxito, podemos gostar ou não, questionar ou não, mas há uma coisa que é indesmentível, que trouxe alguma coisa de novo à literatura."

Basta fazer diferente?

Nenhum autor, até um de romance cordel, como a Corín Tellado, tem êxito se não for diferente do que já existia. Tenho pensado nisto e percebo que é uma frase profundamente verdadeira. Isso passa-se nos autores de quem gostamos: Dan Brown trouxe coisas novas, J.K. Rowling também, Maugham, Eça de Queirós ou Saramago também. Todos os autores de êxito trouxeram alguma coisa de novo. Podemos é não gostar desse novo.

Nesta trilogia utiliza muitas frases de Salazar. Como as recria?

Esta trilogia situa-se entre os anos 20 e 30 do século XX e tenho um português entre as quatro personagens principais, que se cruza com Salazar e vai ter de o conhecer. Quando terminei o manuscrito, o meu editor leu e disse: "Zé, você tem de ter um bocado de cuidado com o Salazar, porque ele suscita grandes paixões - tanto de amor com de ódio - e estão aqui coisas que o Salazar talvez não dissesse desta maneira." Fui sensível ao argumento e voltei à pesquisa, tendo tomado a decisão de aplicar a essas personagens, como a do Mao Tse-tung, as próprias palavras. Portanto, tudo o que está no romance sobre o Salazar são coisas que ele efetivamente disse, não inventei nada.

Há muita gente que diz que politicamente cai mais para a direita do que para a esquerda. Qual é a sua cor política?

Caio mais para a verdade, e esta não é de direita nem de esquerda. Há coisas que a esquerda diz que são verdades profundas e há coisas que a direita diz que são também verdades profundas. Portanto, não tenho de estar preocupado ao fazer uma afirmação. O que se passa é que quando ponho uma verdade da esquerda, toda gente acha natural, mas se ponho uma verdade de direita, isso já não serve.

Considera que cada vez que vai fazer uma reportagem ou está a apresentar o noticiário tem olheiros a ver a sua prestação?

Não há duvida. Quando nos preocupamos com a verdade isso causa incómodo a muita gente. Houve muita polémica na história da Grécia, mas tudo o que eu disse era verdadeiro e veio a provar-se.

A crítica era pela linguagem usada. Não concordou com o que foi dito?

Isso era o pretexto. Tentavam tocar em questões marginais porque não o podiam fazer na central, inclusive nas previsões que fiz.

Na reportagem sobre o brexit notava-se mais cuidado no que falava...

Não, continuei a dizer a verdade. É um equívoco as pessoas estarem à espera de que os jornalistas sejam sempre de esquerda e, se alguma vez dizem coisas que não são da esquerda, então é porque são da direita. Isso não é assim.

Porque é que continua a exercer a profissão de jornalista em vez de se dedicar somente à escrita?

Primeiro porque gosto e porque a minha atividade de jornalista complementa-me enquanto romancista. O romancista passa o dia fechado em casa a escrever, o que não tem muita piada, enquanto o jornalista não. Tenho de sair de casa, vou à RTP, estou em contacto com as pessoas, faço reportagens que me permitem manter-me atualizado com eventos importantes, seja na Ucrânia com a guerra civil, seja no Iraque com o conflito com o Estado Islâmico ou na Grécia com as eleições ou na Grã-Bretanha com o brexit. Portanto, são coisas importantes que me valorizam enquanto jornalista e também enquanto escritor. Aliás, a minha própria atividade de escritor valoriza-me enquanto jornalista também. Se gosto de fazer tudo e consigo fazer tudo, não vejo razões para não continuar assim. Admito que alguns políticos, os que não gostam que se conte a verdade, preferissem que eu abandonasse o jornalismo. Mas, isso é outro problema.

Está a referir-se a José Sócrates?

Não, não estou a referir-me a ninguém. A política é uma coisa muito importante, mas é também a gestão das ilusões e da mentira. Isso não é uma coisa do político A ou do político B, é uma coisa transversal. E não o digo para ser politicamente correto, o que não quer dizer que todos os políticos sejam iguais. Nem todos os políticos são mentirosos, ou melhor, todos os políticos são económicos no que diz respeito à verdade, mas nem todos são desonestos. Da mesma maneira que há jornalistas honestos e desonestos, mecânicos honestos e desonestos, economistas honestos e desonestos. É uma profissão como qualquer outra.

Agora só vai uma vez à Feira do Livro. Está farto?

Não tenho tempo, a pressão é muito grande e há sempre muitas coisas para fazer.

No seu Facebook aparece um post com o futebolista Éder que só tem comentários favoráveis. O que aconteceu aos negativos?

Não aconteceu nada, não há nenhum. A única ordem que existe é a de comentários fora do âmbito da literatura serem eliminados, como as coisas de política, porque percebemos que as máquinas partidárias estavam a entrar em muitas destas polémicas. Não passa pela cabeça de ninguém que os portugueses estivessem indignados por eu mostrar, por exemplo, a curva da dívida portuguesa no noticiário! Mas é natural que alguns políticos não gostassem e tenham posto as máquinas partidárias a trabalhar, através das agências de comunicação, para criar perfis falsos - alguns até estão na praia -, coisa de miúdos que estão fechados numa sala e cujo trabalho é invadir os fóruns no Twitter, no Facebook e até os da televisão.

Portanto, limita os comentários na sua página de Facebook?

O que quero dizer é que os políticos querem problematizar e, a certa altura, apercebemo-nos de que as máquinas partidárias estavam a encher as páginas sociais todas e até a minha página de Facebook. Portanto, se não é de literatura é eliminado, ali é apenas para discutir os livros.

Três milhões de livros, não é?

Acho que já serão um pouco mais do que isso.

Como é que se consegue atingir este número?

Quer a verdade? Conquistando a confiança dos leitores.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?