Jerónimo e a guerra: "Se me perguntam qual é a parte que eu apoio eu digo que nenhuma"

O secretário-geral comunista participou este sábado numa manifestação na Avenida da Liberdade a apelar à paz no mundo.

Uma manifestação a apelar à paz no mundo, com a participação de elementos do Partido Comunista Português (PCP) e da Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses (CGTP-IN), além de cerca de 80 organizações, que se realizou este sábado na Avenida da Liberdade, em Lisboa, juntou cerca de mil pessoas e contou com a presença do secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa.

Com palavras de ordem como "paz, sim! Guerra, não" os manifestantes desfilaram do Marquês de Pombal até à Praça dos Restauradores, dizendo referir-se aos vários conflitos bélicos no mundo, além da Ucrânia, também na Palestina, Síria, Líbia e Iémen, criticando o aumento das despesas com armamento.

Foi a meio da Avenida da Liberdade que se juntou ao desfile o secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa. Aos jornalistas, o líder comunista defendeu a necessidade de se encontrar um "caminho pacífico" para a resolução do conflito entre a Rússia e a Ucrânia e de "todos os conflitos existentes no mundo", dizendo que "este não é o caminho", insistindo no "diálogo e na diplomacia".

"Num mundo perigoso em que há tanto conflito, desde a Palestina, a Síria, à Líbia, ao Iémen, à Ucrânia, nós consideramos que este não é o caminho. A guerra, a confrontação e as sanções não são o caminho. Nós somos a favor da paz. Queremos que a paz no mundo prevaleça em relação à guerra e aos conflitos", disse.

Apesar de dizer condenar a "intervenção" russa na Ucrânia, Jerónimo de Sousa disse não toma "partido de nenhum dos lados do conflito".

"Não apoiamos este e aquele. Se me perguntam qual é a parte que eu apoio eu digo que nenhuma. Faremos tudo para seja encontrada uma via pacífica", sublinhou.

Nos Restauradores, local onde terminou a ação, teve lugar um discurso da comunista Ilda Figueiredo.

Manifestação de ucranianos em paralelo

Ao mesmo tempo que decorria esta manifestação na Avenida da Liberdade desenrolou-se outra, protagonizada por cidadãos ucranianos, que, munidos de bandeiras e cartazes contra o presidente russo, Vladimir Putin, desceram também até aos Restauradores na via paralela.

Em declarações à Lusa, o presidente da Associação dos Ucranianos em Portugal, Pavlo Sadokha, que se juntou a esta ação, explicou que veio também para apelar à paz, mas defendeu a necessidade de se continuar a fornecer armas à Ucrânia.

"Viemos cá para nos juntarmos ao apelo pela paz, mas quando chegámos vimos que a mensagem que passam os organizadores não apoia a Ucrânia. Vimos que alguns organizadores comunistas estão a tentar impedir o fornecimento de armas à Ucrânia que está a defender a sua soberania. Quem quer a paz na Ucrânia tem de nos ajudar a lutar pela nossa independência e pela nossa vida", argumentou.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou mais de quatro mil civis, segundo a ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

A guerra também causou a fuga de mais de 16 milhões de pessoas das suas casas, oito milhões das quais abandonaram o país, ainda segundo a ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG