Costa: Eventos nos próximos dias junto a florestas têm de ser reajustados

"A segurança está acima de tudo. Esta questão não é política, é técnica e de responsabilidade", disse o PM.

O primeiro-ministro afirmou esta terça-feira que, por questões de segurança face aos "elevadíssimos riscos" de incêndio, com o país em situação de contingência, terão de ser reajustados os eventos junto a zonas florestais programados para os próximos dias.

António Costa comunicou esta determinação no final de duas reuniões, num total de mais de três horas, com o comando operacional e com diversas entidades nacionais responsáveis pela prevenção e combate aos incêndios, na Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, em Carnaxide, no concelho de Oeiras.

Em risco de cancelamento, de reprogramação ou de relocalização, com o país em situação de contingência nos próximos dias, estão grandes eventos como o festival de música Super Bock Super Rock, em Sesimbra, ou a concentração motard de Faro.

"A segurança está acima de tudo. Esta questão não é política, é técnica e de responsabilidade. Decorre da lei num momento em que está em vigor a situação de contingência", declarou António Costa, tendo ao seu lado os ministros da Administração Interna, José Luís Carneiro, da Defesa, Helena Carreiras, e da Agricultura, Maria do Céu Antunes.

Após várias perguntas dos jornalistas sobre as condições em que os dois referidos eventos poderão realizar-se no final desta semana, António Costa referiu que "ninguém tem dúvidas de que o bem vida é o bem superior" e, quando estão em causa questões de segurança, "não há que hesitar".

O primeiro-ministro adiantou que as autoridades da proteção civil estão a procurar compatibilizar uma solução com os interesses dos produtores desses eventos programados para zonas de floresta.

"Restringiremos as liberdades no estritamente necessário para a proteção de pessoas e bens. Mas, neste caso, não estamos perante uma opção política. Estamos perante determinações técnicas", defendeu António Costa, assinalando, a este propósito, que a Lei de Bases da Proteção Civil define um quadro "muito claro sobre quais são as condições meteorológicas que determinam que seja acionado o mecanismo da situação de alerta".

"No caso concreto desses eventos, houve parecer da GNR, da Autoridade Nacional da Proteção Civil, e nenhum responsável político no seu perfeito juízo pode assumir o risco de desconsiderar esses pareceres e a previsão de risco meteorológico. Obviamente, ninguém de bom senso o faria, nem o deve fazer - e ainda bem que assim é. Isto não se trata de uma questão política, mas de uma decisão eminentemente técnica", reforçou o líder do executivo.

Interrogado se o Estado está disponível para indemnizar os empresários cujos eventos possam ser cancelados nos próximos dias por causa dos riscos de incêndio, António Costa rejeitou em absoluto e deu uma resposta dura.

"O Estado não é o segurador universal. Essa ideia de que o Estado tenha de segurar qualquer eventualidade da vida de pessoas ou de empresas é uma realidade que não existe", reagiu.

Numa nota de humor, António Costa disse que o Estado não segura "para a chuva e para o sol, para o granizo ou neve".

"Convém sempre ter a noção de que o dinheiro do Estado não é o dinheiro do Governo, mas sim o dinheiro dos contribuintes. Por isso é que há companhias de seguro. Ao Estado compete-lhe regular, nos termos da lei, aquilo que são os diferentes interesses na sociedade", contrapôs.

Neste momento, de acordo com António Costa, perante o atual quadro meteorológico e face às restrições impostas a um conjunto de atividades, "desde as agrícolas, a qualquer outra que se desenvolva nas imediações do espaço rural, as autoridades públicas estão a dialogar para encontrar uma solução".

"Uma solução que limite ao mínimo os prejuízos que têm e, por outro lado, sem sacrifício da segurança das pessoas", acrescentou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG