PS quer centralizar compras militares

Programa eleitoral socialista na área da Defesa propõe "reorganizar definitivamente" o aparelho militar "em função do produto operacional".

Os socialistas vão avançar para a centralização dos investimentos militares se ganharem as próximas legislativas, numa lógica de racionalização de meios.

O programa eleitoral do PS, que é aprovado este sábado em Lisboa, limita-se porém a referir explicitamente as compras logísticas correntes (combustível, viaturas administrativas e manutenção, mobiliário, equipamento informático) de valores elevados e que "não são especificamente operacionais".

Esta proposta vem na sequência da decisão, tomada nesta legislatura, de transferir para a NATO a responsabilidade pela maioria dos contratos de aquisição de capacidades para as Forças Armadas - de que é exemplo a nova arma ligeira para o Exército. Acresce que a negociação dos programas mais caros - como o das aeronaves KC-390 ou o dos navios de patrulha oceânica - também já está a ser gerida pelo Ministério da Defesa.

"Reorganizar definitivamente" as Forças Armadas "em função do produto operacional" e numa perspetiva mais conjunta, tanto ao nível do comando como das capacidades, é outra orientação constante do programa eleitoral do PS. Para os socialistas, há que privilegiar "uma estrutura de forças baseada em capacidades conjuntas" e onde sobressai "a mais que provável necessidade de uma efetiva arquitetura de comando conjunto".

Com a recente aprovação da lei que calendariza um investimento de 4,7 mil milhões de euros na modernização das Forças Armadas, o PS considera "crucial que os ganhos decorrentes deste esforço sejam mensuráveis, concretos e tenham um impacto positivo sobre a economia nacional".

Quanto ao problema dos efetivos, onde continua sem se saber porque é que Portugal precisa de 32 mil militares quando emprega anualmente menos de 3000 efetivos nas missões militares (a razão de ser das Forças Armadas), o PS propõe-se prosseguir a "adequação dos mecanismos de recrutamento e retenção às necessidades de efetivos militares".

Contudo, apesar da anunciada falta de 4000 a 6000 efetivos, o PS entende que apoiar a proteção civil - em especial no combate aos fogos - e integrar missões em articulação com o Sistema de Segurança Interna também "são solicitações a que cumpre responder" pelas Forças Armadas.

A criação de programas piloto - no âmbito do Dia da Defesa Nacional - que permitam aos jovens voluntariar-se para participar em "atividades estruturadas de curta duração [e] ligadas à vivência militar" é outra proposta do PS, que tem subjacente a intenção de atrair mais candidatos às fileiras e com melhor conhecimento prévio do que é a instituição militar.

O que já não é novo são as propostas de criar novos mecanismos de gestão de carreiras e de "promover a reinserção profissional", embora aqui haja uma nuance importante - visam-se os "militares que optem pela passagem à reserva em idade ativa" e não apenas os voluntários com contrato a termo certo.

Concluir a reforma da Saúde Militar, incluindo "finalizar o projeto" de ter um campus junto ao Hospital das Forças Armadas (HFAR), integrar os adidos militares na política externa de Defesa e para fazer "a promoção externa" das indústrias do setor, assim como "consolidar o enquadramento e estruturas da Autoridade Marítima Nacional no ordenamento jurídico nacional", são outros compromissos com que o PS se apresenta às eleições legislativas de outubro.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?