Marcelo Rebelo de Sousa e Felipe VI em visita privada ao Museu do Prado

A visita tem carácter "privado" e "reservado", não estando previstos contactos com a imprensa

O Presidente da República português, Marcelo Rebelo de Sousa, visitou esta manhã o Museu do Prado, em Madrid, acompanhado pelo rei Felipe VI, antes de um almoço entre os dois, na residência oficial do soberano espanhol, o Palácio da Zarzuela.

A visita tem um carácter "privado" e "reservado", não estando previstos contactos com a imprensa.

Os dois chefes de Estado visitaram durante mais de uma hora a mostra Reencontros do Museu do Prado que reúne mais de 190 obras que evocam a museografia existente quando a instituição abriu as suas portas pela primeira vez.

A visita foi feita com o museu aberto ao público, que era muito escasso, e que ainda não recuperou os números de antes da pandemia de covid-19.

A exposição com as obras mais representativas do museu estão expostas na Galeria Central e nas salas adjacentes, um espaço emblemático cujas caraterísticas arquitetónicas permitem garantir o cumprimento das recomendações sanitárias, que incluem a do distanciamento social, assegurando assim um modelo de visita considerado seguro para o público.

O Museu do Prado, um dos maiores e mais conhecidos no mundo, voltou a abrir as suas portas em 06 de junho último, depois de quase três meses encerrado, por causa da pandemia da covid-19, mas a falta de turistas internacionais faz com que a afluência de visitantes continue a ser muito inferior à que tem normalmente.

A deslocação a Madrid de Marcelo Rebelo de Sousa partiu de um convite feito por Felipe VI nas cerimónias, em 01 de julho, de reabertura da fronteira entre Portugal e Espanha.

O chefe de Estado chegou a Madrid na segunda-feira ao fim do dia e deverá regressar a Lisboa a seguir ao almoço desta terça-feira.

O Presidente da República já saudou esta manhã o "histórico resultado" da reunião do Conselho Europeu, em Bruxelas, considerando que é excelente para Portugal e que a União Europeia deu "prova da sua força".

Numa mensagem publicada no portal da Presidência da República na Internet, lê-se que o chefe de Estado "saudou esta manhã em Madrid o histórico resultado do Conselho Europeu, que esta madrugada terminou em Bruxelas".

Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, "ao acordar um orçamento de mil oitocentos e vinte mil milhões (1.820 mil milhões) de euros para os próximos sete anos, a União Europeia dá prova da sua força e da sua dinâmica, da capacidade de decidir democraticamente no diálogo, difícil mas profícuo, entre os seus 27 Estados-membros, no respeito de todos e na procura dos interesses comuns".

Os chefes de Estado e de Governo da União Europeia aprovaram na madrugada desta terça-feira, ao quinto dia de uma das cimeiras europeias mais longas da sua história, um acordo para a retoma da economia comunitária pós-crise da covid-19, num pacote total de 1,82 biliões de euros.

Deste montante total, Portugal deverá beneficiar de mais de 45 mil milhões de euros" nos próximos sete anos: 29,8 mil milhões de euros no âmbito do próximo Quadro Financeiro Plurianual (orçamento comunitário) e os restantes no âmbito do novo Fundo de Recuperação europeu à pandemia de covid-19.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG