"Absolutamente impossível". Joacine rejeita desvinculação do LIVRE

Este sábado, o LIVRE criticou-a publicamente por se ter abstido na votação pela condenação à agressão israelita a Gaza, no Parlamento. A deputada rejeita desvincular-se do seu partido.

A deputada única do LIVRE, Joacine Katar Moreira, garantiu este domingo que é "absolutamente impossível" desvincular-se do partido depois da recente polémica com abstenção num voto sobre Gaza, deixando claro que vai "cumprir absolutamente" o que lhe foi mandatado.

À entrada para a Assembleia do LIVRE, que esta tarde se reúne na sede do partido, em Lisboa, um dia depois de uma troca de comunicados entre a direção e a deputada sobre uma votação no parlamento a propósito da situação em Gaza, Joacine Katar Moreira começou por dizer aos jornalistas que não ia fazer "nenhum comentário".

No entanto, quando questionada sobre a possibilidade de se desvincular do LIVRE, a deputada do partido foi perentória ao rejeitar esta hipótese, considerando ser "absolutamente impossível".

"É aqui onde eu hei de estar, é aqui onde eu estou e aqui onde irei obviamente cumprir absolutamente o que me foi mandatado", disse apenas, entrando depois na sede do partido, sem mais comentários.

A reunião deste domingo já estava marcada e a ordem de trabalhos, entre outras matérias, "tem um ponto de discussão sobre os trabalhos parlamentares".

A Assembleia da República aprovou, na sexta-feira, um voto do PCP de "condenação da nova agressão israelita a Gaza", que contou com a abstenção da deputada única do LIVRE.

No sábado de manhã, o partido fundado por Rui Tavares manifestou preocupação com o voto da sua deputada "em contrassenso" com o programa e as posições do LIVRE, de acordo com um comunicado do Grupo de Contacto, a direção do partido.

Em resposta, Joacine Katar Moreira atribuiu o sentido do seu voto a uma "dificuldade de comunicação" com a direção do LIVRE, afirmando terem sido "três dias de contacto infrutífero", e mostrou-se surpreendida com a posição do partido.

Posteriormente, Pedro Nunes Rodrigues, da direção do LIVRE, assegurou à Lusa que nunca foi pedido pelo gabinete de Joacine Katar Moreira qualquer apoio específico no voto sobre a Palestina, mas adiantou que o partido continuará a trabalhar com a deputada "para que a legislatura corra da melhor forma, sem problemas de comunicação".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG