Joacine é "causa e consequência da mudança de rumo" do Livre

Fundador do Livre lamenta que bandeiras como a ecologia, o europeísmo e os direitos laborais tenham sido "relegadas para segundo plano". Este ano já saíram quatro nomes que estiveram na fundação do partido.

Ricardo Alves deixou o Livre no dia das eleições legislativas. As divergências com o partido que ajudou a fundar em 2013/14 já se arrastavam há meses e acabaram por conduzi-lo à saída de um partido que diz estar muito diferente do que era.

Ao DN, Ricardo Alves fala numa mudança que se reporta a março/abril, altura em que decorreu o processo de eleições primárias que resultaram na escolha de Joacine Katar Moreira, mas também a discussão do programa do partido e das suas prioridades para a campanha eleitoral. "Houve pessoas que não ficaram satisfeitas com o rumo que as coisas tomaram", sublinha, e houve pelo menos dois fundadores que deixaram o partido nessa altura.

Também Ricardo Alves manifestou discordância com o que aponta como uma mudança nas orientações estratégicas do Livre. "Tem a ver com aquilo a que chamo política de identidade, esta maneira de fazer política em que se faz apelo ao facto de a Joacine ser mulher e ser negra, como se eleger uma mulher negra resolvesse os problemas dos negros nas periferias de Lisboa", explica, acrescentando que estas divergências tiveram como principal foco a questão das quotas étnico-raciais, uma proposta que teve o seu voto contra, mas teve vencimento no partido, acabando por integrar o programa eleitoral do Livre.

"Isto significa que as pessoas são recrutadas por uma quota racial, o que implica que o Estado define quem é que pertence a essa quota. Isto para mim é inconcebível. Para algumas pessoas não é", diz o fundador e antigo militante.

Lembrando que o Livre sempre foi um "partido de esquerda, feminista e anti racista", o professor universitário defende que estas questões assumiram a primeira linha da orientação estratégica do partido, deixando para segundo plano a "ecologia, o europeísmo, os direitos laborais", desde sempre traves mestras do Livre, agora "relegadas para segundo plano".

Quanto à deputada única do partido, Joacine Katar Moreira, que nos últimos dias tem estado envolvida em várias polémicas - nomeadamente com a direção do Livre -, este ex-militante considera que ela "é a causa e a consequência desta estratégia, desta mudança de rumo" com a qual diz não concordar: "Não me identifico com esta política."

Sobre as polémicas que têm marcado os últimos dias, Ricardo Alves diz não conseguir antecipar "o que vai sair daqui", sublinhando que "todos os dias há casos que acabam por distrair do essencial".

Esta terça-feira, outro fundador do Livre, Miguel Dias, anunciou na rede social Twitter que deixa o partido, uma decisão que não se deve a divergências ideológicas, mas a "uma questão de forma e de postura política", na qual diz ter deixado de se rever.

"Não foi uma decisão fácil nem leviana. É emocionalmente complexa a decisão de abandonar o LIVRE, partido que ajudei a fundar e ao qual dediquei seis anos da minha vida. As razões para a minha saída foram explicadas internamente", escreveu Miguel Dias numa das mensagens em que anuncia a saída do partido. Uma decisão que diz não estar relacionada com o conteúdo - "os meus valores ideológicos e as ideias políticas continuam a condizer em larga medida com o defendido pelo partido" - mas "antes com uma questão de forma e de postura política".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG