Teresa Morais acusa Rio de fazer "definhar" o PSD

A antiga secretária de Estado dos Assuntos Parlamentares afirma que o líder do PSD não conta com ela para a lista de deputados às legislativas de 2019. E garante que ela também não conta com Rui Rio.

Num post no Facebook, Teresa Morais diz que chegou o momento da "clarificação", no momento em que o partido está a escolher os candidatos às eleições legislativas de outubro. "O Dr. Rui Rio e eu estamos, finalmente, em sintonia em alguma coisa: ele não conta comigo e eu não conto, seguramente, com ele", escreveu a deputada social-democrata.

Teresa Morais, que foi eleita por Leiria, frisa que Rui Rio rejeitou o contributo dos ditos "passistas", como rejeitou desde sempre o legado de Pedro Passos Coelho e eu não quero ter rigorosamente nada em comum com quem está a definhar o meu partido, a excluir em vez de acrescentar, a tornar o PSD num partido "maneirinho e homogéneo".

Um partido que diz agora "mediano e ideologicamente puro, onde só cabem amigos e acólitos subservientes".

A ex-vice-presidente de Pedro Passos Coelho na direção do PSD já tinha entrado em confronto com o atual líder do PSD mais do que uma vez. Em outubro do ano passado, numa reunião da bancada social-democrata lançou um duro ataque à direção de Rui Rio, a quem acusou de vetar intervenções de deputados que tinham experiência e com que tinham vontade de trabalhar e colaborar, como ela própria.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.