Técnicos de diagnóstico "indignados" com o governo querem intervenção de Marcelo

O Conselho de Ministros aprovou "o decreto-lei que estabelece o regime remuneratório aplicável à carreira especial de técnico superior das áreas de diagnóstico e terapêutica.

O Sindicato dos Técnicos Superiores de Diagnóstico e Terapêutica (STSDT) manifestou esta quinta-feira "indignação" com a aprovação pelo Governo do decreto-lei das transições e grelha salarial sem acordo dos sindicatos e pede a intervenção do Presidente da República.

O Conselho de Ministros aprovou esta quinta-feira "o decreto-lei que estabelece o regime remuneratório aplicável à carreira especial de técnico superior das áreas de diagnóstico e terapêutica, bem como as regras de transição dos trabalhadores para esta carreira".

"O diploma determina o número de posições remuneratórias daquela carreira e identifica os respetivos níveis da tabela remuneratória única", adianta a nota do Conselho de Ministros.

A agência Lusa pediu ao Ministério da Saúde o diploma aprovado esta quinta-feira e esclarecimentos sobre o mesmo, mas não obteve resposta.

"Não nos calaremos", diz sindicato

Em total desacordo, o sindicato manifesta a sua "indignação" por este decreto-lei ter sido aprovado sem o acordo dos sindicatos e avisa que está já a preparar novas ações de luta e greves.

"Não nos calaremos, nem nos conformaremos com decisões que mantêm as injustiças. Estamos já a preparar novas ações de luta e avançaremos com novas greves", afirma o presidente do sindicato, Luís Dupont, num comunicado enviado para a agência Lusa.

A estrutura alerta para "uma clara violação dos princípios constitucionais e solicita a intervenção urgente do Presidente da República, dado ser da sua responsabilidade a promulgação do diploma, após a aprovação em Conselho de Ministros".

As estruturas sindicais pretendem, assim, apresentar a Marcelo Rebelo de Sousa uma exposição com base jurídica das razões porque consideram a proposta do Governo violadora das normas legais constitucionais.

"Tal facto é uma decisão que, no nosso entendimento, viola direitos e princípios constitucionais, que, apesar de já terem sido fundamentados e apresentados à ministra da Saúde, não foram tidos em consideração. É um duro golpe na afirmação, independência e autonomia das profissões, porque, na transição, não sendo colocados TSDT em todas as categorias, ficamos impedidos de assumir a nossa plena autonomia, visto não existirem futuramente TSDT que reúnam as condições para serem designados coordenadores e diretores", afirma o presidente do sindicato.

Luís Dupont sublinha que tal situação abre "a possibilidade à intromissão de outros profissionais nos concursos e avaliações de desempenho", facto que não podem "aceitar de forma nenhuma".

Nova vaga de greves

"Apesar de todos os argumentos apresentados pelos sindicatos, relativamente ao facto de a proposta de transições e grelha salarial manter e até agravar a discriminação negativa, que se arrastou no tempo, e que a proposta do Governo pretende perpetuar, com a aplicação de regras de transição para a nova carreira que não colocam TSDT em todas as categorias, e de uma grelha salarial que não permite um desenvolvimento salarial igual ao de outras carreiras na Administração Pública, Marta Temido recusou negociar mantendo o clima de incerteza e apanhando hoje todos os profissionais de surpresa com a aprovação da proposta", adianta.

Os TSDT garantem que "vão continuar a manifestar publicamente a sua discordância e repúdio à decisão do Governo, estando já a ser preparadas novas ações de luta que irão incluir nova vaga de greves".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".