SIC Notícias acaba com Quadratura do Círculo

Última edição do programa de debate político vai para o ar no dia 24 de janeiro.

Quadratura do Círculo, o programa de debate político da SIC Notícias, vai terminar. A última edição do programa - moderado por Carlos Andrade e que tem como comentadores José Pacheco Pereira, Lobo Xavier e Jorge Coelho - vai para o ar na quinta-feira, dia 24 de janeiro, confirmou ao DN Ricardo Costa, diretor de Informação da estação televisiva.

Ricardo Costa acrescentou que o fim do programa, e emitido pela SIC desde 2004, se deve "a várias alterações na grelha". Com a mudança de instalações de Carnaxide para Paço de Arcos, no final do mês, "faz mais sentido fazer agora".

"O programa Quadratura do Círculo foi sempre importante para a SIC Notícias e faz parte da sua história, mas vamos apostar em novos formatos", acrescentou o diretor de Informação. Não quis, contudo, adiantar se o programa será substituído por outro do mesmo género.

Infografia DN

O elenco do programa que se destacou pelo debate político foi informado a semana passada do final da emissão. Contactado pelo DN, Carlos Andrade não quis comentar.

O programa teve origem na TSF, no final dos anos 1980, quando se chamava Flashbacke era transmitido ao domingo. Era então moderado por Emídio Rangel, com a participação de José Magalhães, Pacheco Pereira e Vasco Pulido Valente - quando este último saiu foi substituído por Miguel Sousa Tavares e depois por Nogueira de Brito.

Ainda com o nome Flashback, já a meio dos anos 1990, passou a ser transmitido também na televisão, na SIC. Deixou de ser emitido pela TSF em 2003.

O formato de debate político passou para SIC Notícias em janeiro de 2004, com o nome Quadratura do Círculo, levando então Carlos Andrade para a moderação e Lobo Xavier para o lugar de Nogueira de Brito. Ao longo do tempo houve alterações no painel de comentadores: o socialista José Magalhães foi substituído por Jorge Coelho e este, em 2008, deu lugar a António Costa. Com eleição de Costa para líder do PS, Jorge Coelho regressou ao programa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.