SIC Notícias acaba com Quadratura do Círculo

Última edição do programa de debate político vai para o ar no dia 24 de janeiro.

Quadratura do Círculo, o programa de debate político da SIC Notícias, vai terminar. A última edição do programa - moderado por Carlos Andrade e que tem como comentadores José Pacheco Pereira, Lobo Xavier e Jorge Coelho - vai para o ar na quinta-feira, dia 24 de janeiro, confirmou ao DN Ricardo Costa, diretor de Informação da estação televisiva.

Ricardo Costa acrescentou que o fim do programa, e emitido pela SIC desde 2004, se deve "a várias alterações na grelha". Com a mudança de instalações de Carnaxide para Paço de Arcos, no final do mês, "faz mais sentido fazer agora".

"O programa Quadratura do Círculo foi sempre importante para a SIC Notícias e faz parte da sua história, mas vamos apostar em novos formatos", acrescentou o diretor de Informação. Não quis, contudo, adiantar se o programa será substituído por outro do mesmo género.

Infografia DN

O elenco do programa que se destacou pelo debate político foi informado a semana passada do final da emissão. Contactado pelo DN, Carlos Andrade não quis comentar.

O programa teve origem na TSF, no final dos anos 1980, quando se chamava Flashbacke era transmitido ao domingo. Era então moderado por Emídio Rangel, com a participação de José Magalhães, Pacheco Pereira e Vasco Pulido Valente - quando este último saiu foi substituído por Miguel Sousa Tavares e depois por Nogueira de Brito.

Ainda com o nome Flashback, já a meio dos anos 1990, passou a ser transmitido também na televisão, na SIC. Deixou de ser emitido pela TSF em 2003.

O formato de debate político passou para SIC Notícias em janeiro de 2004, com o nome Quadratura do Círculo, levando então Carlos Andrade para a moderação e Lobo Xavier para o lugar de Nogueira de Brito. Ao longo do tempo houve alterações no painel de comentadores: o socialista José Magalhães foi substituído por Jorge Coelho e este, em 2008, deu lugar a António Costa. Com eleição de Costa para líder do PS, Jorge Coelho regressou ao programa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.