SIC Notícias acaba com Quadratura do Círculo

Última edição do programa de debate político vai para o ar no dia 24 de janeiro.

Quadratura do Círculo, o programa de debate político da SIC Notícias, vai terminar. A última edição do programa - moderado por Carlos Andrade e que tem como comentadores José Pacheco Pereira, Lobo Xavier e Jorge Coelho - vai para o ar na quinta-feira, dia 24 de janeiro, confirmou ao DN Ricardo Costa, diretor de Informação da estação televisiva.

Ricardo Costa acrescentou que o fim do programa, e emitido pela SIC desde 2004, se deve "a várias alterações na grelha". Com a mudança de instalações de Carnaxide para Paço de Arcos, no final do mês, "faz mais sentido fazer agora".

"O programa Quadratura do Círculo foi sempre importante para a SIC Notícias e faz parte da sua história, mas vamos apostar em novos formatos", acrescentou o diretor de Informação. Não quis, contudo, adiantar se o programa será substituído por outro do mesmo género.

Infografia DN

O elenco do programa que se destacou pelo debate político foi informado a semana passada do final da emissão. Contactado pelo DN, Carlos Andrade não quis comentar.

O programa teve origem na TSF, no final dos anos 1980, quando se chamava Flashbacke era transmitido ao domingo. Era então moderado por Emídio Rangel, com a participação de José Magalhães, Pacheco Pereira e Vasco Pulido Valente - quando este último saiu foi substituído por Miguel Sousa Tavares e depois por Nogueira de Brito.

Ainda com o nome Flashback, já a meio dos anos 1990, passou a ser transmitido também na televisão, na SIC. Deixou de ser emitido pela TSF em 2003.

O formato de debate político passou para SIC Notícias em janeiro de 2004, com o nome Quadratura do Círculo, levando então Carlos Andrade para a moderação e Lobo Xavier para o lugar de Nogueira de Brito. Ao longo do tempo houve alterações no painel de comentadores: o socialista José Magalhães foi substituído por Jorge Coelho e este, em 2008, deu lugar a António Costa. Com eleição de Costa para líder do PS, Jorge Coelho regressou ao programa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.