Secretário-geral do PSD defende "trabalho meritório" e recondução da PGR

José Silvano diz que que a procuradora-geral da República, Joana Marques Vidal, "fez um trabalho meritório e quase consensualizado na opinião pública" e que, por isso, deve ser reconduzida.

"A título pessoal", o secretário-geral do PSD disse, em Castelo de Vide, não ver razões para a não recondução da PGR. José Silvano tomou esta posição pública, apesar de Rui Rio ainda não se ter pronunciado sobre o assunto. O líder do PSD continua a dizer que só quando a questão do mandato de Joana Marques Vidal, que termina em outubro, se colocar sobre a mesa do governo e do Presidente da República é que falará sobre o assunto.

José Silvano, que veio à Universidade de Verão (UV) do PSD para almoçar com os jovens que nela participam, mostrou-se convicto da vitória do PSD nas próximas eleições, apesar do baixo resultado do PSD na última sondagem divulgada na imprensa. "O resultado vai subir e o resultado eleitoral também", garantiu.

Rejeitou que a "tendência" de queda do PSD nos estudos de opinião faça Rui Rio mudar de estratégia. "Vai ter que a explicar e chegará o tempo das pessoas perceberem que é um líder diferente", argumentou o secretário-geral social-democrata. José Silvano também afastou qualquer possibilidade de aproximação ao CDS tendo em vista as eleições. "Neste momento, o PSD tem de se afirmar sozinho para conquistar eleitorado no centro-esquerda e entre os abstencionistas".

Durante o almoço, o dirigente nacional do PSD que é responsável pelas contas do partido, quis dar um sinal de grande apoio à Universidade de Verão do partido, depois de ter cortado despesas em várias frentes, entre as quais a Festa do Pontal. "Mesmo com um secretário-geral forreta, há uma coisa que é certa, para esta Universidade tinha que fazer tudo para que se realizasse e com o apoio financeiro da direção".

Isto porque, sublinhou José Silvano, a UV é reconhecidamente o melhor espaço de formação dos jovens nos partidos. E é por isso, que a direção de Rui Rio decidiu inscrevê-la nos renovados Estatutos do PSD, que serão aprovados no Conselho Nacional de dia 12. "Será uma prioridade a formação de novos quadros", disse.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.