Santana Lopes. O que não pode acontecer "é um primeiro-ministro fazer ameaças em público"

O líder da Aliança esteve em Aveiras de Cima para falar com os motoristas e ofereceu-se para mediar o conflito entre sindicatos e a Antram. Pedro Santana Lopes lamentou o "extremar das posições"

O presidente da Aliança esteve esta tarde no piquete de greve em Aveiras de Cima para falar com os motoristas e ofereceu-se para mediar o conflito entre sindicatos e a Antram. "Nós se pudermos ajudar, ajudamos. Estou habituado a conversar e posso ajudar nas negociações", afirmou Santana Lopes em conversa com os representantes do Sindicato dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP).

O antigo primeiro-ministro defende que os serviços mínimos têm de ser cumpridos, mas criticou o "extremar das posições" em sequência da greve dos motoristas, que começou na segunda-feira. E aponta o dedo à postura do Governo. Afirmou que o que "não pode acontecer é um primeiro-ministro a fazer ameaças em público: a dizer que quem não cumprir é crime. Isso em vez de acalmar, incendeia".

Santana Lopes afirma que declarações de António Costa e de outros ministros a ameaçar os trabalhadores que não cumpram a requisição civil "é intolerável", embora considere que o abastecimento prioritário deva ser assegurado, nomeadamente a hospitais e aeroportos. Defende que é preciso sentar as partes à mesa das negociações "e chegar a um entendimento".

"O país está a ser prejudicado com esta greve, mas não podem existir ameaças. Têm de existir condições para que se chegue a um acordo", defendeu.

Ao lado do presidente e vice-presidente do SNMMP, Francisco São Bento e Pardal Henriques, respetivamente, questionou: "Como é que o governo pode verificar o cumprimento dos serviços mínimos se está com uma das partes?". Para o líder da Aliança devia existir uma entidade independente para averiguar que os serviços mínimos estão a ser assegurados.

Santana Lopes disse ainda que há um aproveitamento político por parte do Governo em relação à greve dos motoristas, "como aconteceu com os professores quando o primeiro-ministro ameaçou demitir-se".

De acordo com o líder da Aliança, o "primeiro-ministro tem cavalgado esta onda para tentar demonstrar que é ele que resolve todos os grandes problemas do país".

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.