Rui Rio avisa críticos internos: "Esperem sentados que cumpri sempre os compromissos até ao fim"

Líder do PSD fez um ataque feroz aos opositores internos e prometeu vencer as três eleições do próximo ano. "Vencemos, se o PSD quiser", garantiu. No Pontal, mostrou-se também duro com o governo.

Rui Rio escolheu o discurso do Pontal para fazer o ataque mais duro aos que têm vindo a criticar a sua liderança no partido. "Este governo não tem a vida assim tão facilitada até às legislativas de 2019 e não posso aceitar que dentro do PSD estejam com críticas internas a proteger o governo e a vitória do PS nas eleições, que na comunicação social, de segunda a domingo, estejam a fazer estas críticas ao PSD", criticou. Acrescentando que essas opiniões e críticas "não são sinceras, estão a fazer críticas ao PSD para evitar que ganhe as eleições".

No entender do líder social-democrata, os seus opositores estão apenas a " tentar ser alguém na política". E tudo, disse, não passa de "um projeto pessoal". "Aceito as críticas sinceras, estas são críticas táticas ao serviço de interesses pessoais". "Há quem esteja a fazer isto porque quer defender o lugarzinho ou o lugarzinho de um amigo, mas isso comigo defende-se com trabalho e lealdade, não com intrigas nos jornais." E classificou o lugar de líder da oposição como "dificílimo", mais ainda "quando se tem um estilo do fora do comum".

O último a criticá-lo foi o ex-coordenador autárquico do PSD, Carlos Carreiras, que o aconselhou a não andar às "caneladas" aos colegas de partido. Isto uns dias antes de se saber que Rio mandou processar o candidato social-democrata à Câmara da Covilhã por alegados gastos irregulares na campanha eleitoral.

Deixou ainda muito claro o aviso aos que podem sonhar destitui-lo do poder: "Cumpri sempre a minha palavra e levei as disputas até ao último dia, ando há muitos anos na política e esperem sentados que eu cumprir o compromisso até ao minuto final."

Antes de terminar o discurso com as críticas para dentro, Rui Rio apontou o dedo ao governo. Criticando a resposta ao incêndio de Monchique: "Poupar as vidas humanas é o mais importante, mas ficar contente só com isso é poucochinho."

O Serviço Nacional de Saúde (SNS), nomeadamente as listas de espera para cirurgia e o número de utentes sem médico de família também foram visados. "As urgências estão piores para os utentes e os profissionais."

Problemas que Rui Rio acredita vão ser notados pelos portugueses. "A governação que temos tem os seus defeitos, mas com tempo cada vez mais portugueses vão aperceber-se dos limites e dos defeitos desta governação." Motivos que levam Rui Rio a acreditar na vitória do PSD nas três eleições que vão marcar o próximo ano - europeias, legislativas e regionais na Madeira.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?