Rui Rio avisa críticos internos: "Esperem sentados que cumpri sempre os compromissos até ao fim"

Líder do PSD fez um ataque feroz aos opositores internos e prometeu vencer as três eleições do próximo ano. "Vencemos, se o PSD quiser", garantiu. No Pontal, mostrou-se também duro com o governo.

Rui Rio escolheu o discurso do Pontal para fazer o ataque mais duro aos que têm vindo a criticar a sua liderança no partido. "Este governo não tem a vida assim tão facilitada até às legislativas de 2019 e não posso aceitar que dentro do PSD estejam com críticas internas a proteger o governo e a vitória do PS nas eleições, que na comunicação social, de segunda a domingo, estejam a fazer estas críticas ao PSD", criticou. Acrescentando que essas opiniões e críticas "não são sinceras, estão a fazer críticas ao PSD para evitar que ganhe as eleições".

No entender do líder social-democrata, os seus opositores estão apenas a " tentar ser alguém na política". E tudo, disse, não passa de "um projeto pessoal". "Aceito as críticas sinceras, estas são críticas táticas ao serviço de interesses pessoais". "Há quem esteja a fazer isto porque quer defender o lugarzinho ou o lugarzinho de um amigo, mas isso comigo defende-se com trabalho e lealdade, não com intrigas nos jornais." E classificou o lugar de líder da oposição como "dificílimo", mais ainda "quando se tem um estilo do fora do comum".

O último a criticá-lo foi o ex-coordenador autárquico do PSD, Carlos Carreiras, que o aconselhou a não andar às "caneladas" aos colegas de partido. Isto uns dias antes de se saber que Rio mandou processar o candidato social-democrata à Câmara da Covilhã por alegados gastos irregulares na campanha eleitoral.

Deixou ainda muito claro o aviso aos que podem sonhar destitui-lo do poder: "Cumpri sempre a minha palavra e levei as disputas até ao último dia, ando há muitos anos na política e esperem sentados que eu cumprir o compromisso até ao minuto final."

Antes de terminar o discurso com as críticas para dentro, Rui Rio apontou o dedo ao governo. Criticando a resposta ao incêndio de Monchique: "Poupar as vidas humanas é o mais importante, mas ficar contente só com isso é poucochinho."

O Serviço Nacional de Saúde (SNS), nomeadamente as listas de espera para cirurgia e o número de utentes sem médico de família também foram visados. "As urgências estão piores para os utentes e os profissionais."

Problemas que Rui Rio acredita vão ser notados pelos portugueses. "A governação que temos tem os seus defeitos, mas com tempo cada vez mais portugueses vão aperceber-se dos limites e dos defeitos desta governação." Motivos que levam Rui Rio a acreditar na vitória do PSD nas três eleições que vão marcar o próximo ano - europeias, legislativas e regionais na Madeira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.