Marcelo sobre a crise no PSD: " A vida do partido é com o partido"

Marcelo garante que não se quer meter na vida do PSD. Mas entretanto já recebeu Rio e na segunda-feira encontra-se com Montenegro

Depois de receber Rui Rio, Marcelo Rebelo de Sousa não fugiu ao assunto, mas pouco adiantou: "Não interfiro, nem vou interferir."

"O que se passa na vida do partido é com o partido. Eu respeito o que o partido fizer, como respeito a vontade dos portugueses quando votarem em outubro [nas legislativas"], afirmou o Presidente aos jornalistas que o esperavam esta sexta-feira à noite à porta do hotel onde se reuniu com o líder do PSD, horas depois de Luís Montenegro ter anunciado que está disponível para disputar a liderança do PSD - a Presidência anunciou entretanto que Marcelo o vai receber na próxima segunda-feira.

Já o presidente social-democrata saiu da reunião com Marcelo Rebelo de Sousa a dizer que não vai fazer de conta que nada está a acontecer no partido e prometeu falar "em breve", para responder ao desafio de Luís Montenegro, antigo líder parlamentar do PSD.

"Não vou fazer de conta que nada está a acontecer. Isso seria uma hipocrisia", disse o líder social-democrata à saída do Hotel Sheraton, no Porto, onde esteve reunido com o Presidente da República, referindo-se ao anúncio de Luís Montenegro, que esta sexta-feira, disse que vai avançar para liderança do partido e pediu diretas o mais rapidamente possível.

Questionado que sobre quando vai reagir às declarações do antigo líder da bancada parlamentar "laranja" e também se vai já marcar as diretas, Rio insistiu que "era corredor dos 100 metros aos 20 anos, agora sou mais corredor de fundo, melhor de meio fundo".

Sobre o facto de se ter reunido com o Presidente da República no dia em que Montenegro anunciou oficialmente que o quer retirar da liderança do PSD, Rui Rio afirmou que se tratou de um encontro entre duas pessoas que "não falavam pessoalmente há algum tempo".

"O Presidente não pode imiscuir-se na vida vida interna de um partido"

Mas questionado sobre se foi o Presidente que pediu o encontro respondeu: "Sim, sugeriu-me este encontro e eu com todo o gosto aqui estive."

Nesta quinta-feira, o chefe do Estado tinha-se recusado a comentar a crise no PSD, alegando que "o Presidente não pode imiscuir-se na vida vida interna de um partido". E Marcelo disse mais: "É um erro, e não corresponde verdadeiramente ao que é o espírito da Constituição e o espírito do sistema democrático."

Marcelo partilhou na página oficial da Presidência da República imagens do encontro com Rio, acompanhadas de um pequeno texto com o título: "Presidente da República encontrou-se com o líder da oposição Rui Rio".

A nota de Belém justifica ainda que Marcelo se deslocou ao Porto com o propósito de visitar a Sinagoga e assistir ao concerto de início de temporada na Casa da Música.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.