PSD: Já há assinaturas para avançar com destituição de Rui Rio

É agora ou nunca: dirigentes distritais pressionaram Montenegro para avançar já. Antigos santanistas alertam para "bazuca no pé" do partido

Já há 36 assinaturas para os críticos da direção de Rui Rio desencadearem o processo de convocação do Conselho Nacional do PSD para tentar levar à queda da equipa do atual presidente social-democrata, soube o DN.

Entre os promotores da iniciativa, segundo disseram fontes sociais-democratas ao DN, estão dirigentes das distritais de Viseu, Lisboa, Setúbal e Coimbra, que terão cozinhado no Parlamento este xeque-mate a Rui Rio. Para tal, pressionaram o antigo líder parlamentar Luís Montenegro para que avançasse agora - mesmo com as eleições europeias e legislativas num horizonte mais ou menos imediato. Depois disso, apurou o DN, Montenegro deixaria de contar com o seu apoio.

Com a pressão toda em cima, o ex-deputado aproveitou uma declaração da antiga presidente do partido, Manuela Ferreira Leite - de que preferia menos votos nas eleições a uma deriva para a direita do PSD - para se atirar a Rui Rio.

Agora, espera-se que Montenegro avance, seja já na convenção promovida à direita pelo Movimento Europa e Liberdade (o social-democrata participa num debate na manhã desta sexta-feira sobre "novas realidades europeias e mundiais", ao lado de Paulo Portas), seja numa entrevista a dar a um órgão de comunicação social por estes dias. "Não há retrocesso", apontaram fontes ouvidas pelo DN.

Montenegro desafiará o líder para avançar com eleições diretas ou então esperará por um Conselho Nacional que abra a porta a esse processo eleitoral. Entre aqueles que eram conotados com as alas santanistas - e que não seguiram o antigo presidente Santana Lopes para o novo partido Aliança -, que não apoiaram Rui Rio, admite-se que esta crise, neste momento, a poucos meses das eleições "é uma bazuca no pé do partido". Há "muito nervosismo" entre os sociais-democratas. "Este não é o momento certo", argumentam.

Segundo fontes sociais-democratas ouvidas, a convocação do Conselho Nacional não garante a destituição de Rui Rio. "É uma jogada arriscada", porque pode não haver maioria de votos - e a votação é secreta - para mandar abaixo a direção.

Nas redes sociais, já há sociais-democratas a lembrar palavras antigas de Montenegro, que dizia que não se candidataria contra Rio até às eleições legislativas. Mas as sondagens fizeram soar todos os alarmes no partido e há quem defenda este choque elétrico na expectativa de que anime a intenção de voto do PSD junto do eleitorado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.