PSD: Já há assinaturas para avançar com destituição de Rui Rio

É agora ou nunca: dirigentes distritais pressionaram Montenegro para avançar já. Antigos santanistas alertam para "bazuca no pé" do partido

Já há 36 assinaturas para os críticos da direção de Rui Rio desencadearem o processo de convocação do Conselho Nacional do PSD para tentar levar à queda da equipa do atual presidente social-democrata, soube o DN.

Entre os promotores da iniciativa, segundo disseram fontes sociais-democratas ao DN, estão dirigentes das distritais de Viseu, Lisboa, Setúbal e Coimbra, que terão cozinhado no Parlamento este xeque-mate a Rui Rio. Para tal, pressionaram o antigo líder parlamentar Luís Montenegro para que avançasse agora - mesmo com as eleições europeias e legislativas num horizonte mais ou menos imediato. Depois disso, apurou o DN, Montenegro deixaria de contar com o seu apoio.

Com a pressão toda em cima, o ex-deputado aproveitou uma declaração da antiga presidente do partido, Manuela Ferreira Leite - de que preferia menos votos nas eleições a uma deriva para a direita do PSD - para se atirar a Rui Rio.

Agora, espera-se que Montenegro avance, seja já na convenção promovida à direita pelo Movimento Europa e Liberdade (o social-democrata participa num debate na manhã desta sexta-feira sobre "novas realidades europeias e mundiais", ao lado de Paulo Portas), seja numa entrevista a dar a um órgão de comunicação social por estes dias. "Não há retrocesso", apontaram fontes ouvidas pelo DN.

Montenegro desafiará o líder para avançar com eleições diretas ou então esperará por um Conselho Nacional que abra a porta a esse processo eleitoral. Entre aqueles que eram conotados com as alas santanistas - e que não seguiram o antigo presidente Santana Lopes para o novo partido Aliança -, que não apoiaram Rui Rio, admite-se que esta crise, neste momento, a poucos meses das eleições "é uma bazuca no pé do partido". Há "muito nervosismo" entre os sociais-democratas. "Este não é o momento certo", argumentam.

Segundo fontes sociais-democratas ouvidas, a convocação do Conselho Nacional não garante a destituição de Rui Rio. "É uma jogada arriscada", porque pode não haver maioria de votos - e a votação é secreta - para mandar abaixo a direção.

Nas redes sociais, já há sociais-democratas a lembrar palavras antigas de Montenegro, que dizia que não se candidataria contra Rio até às eleições legislativas. Mas as sondagens fizeram soar todos os alarmes no partido e há quem defenda este choque elétrico na expectativa de que anime a intenção de voto do PSD junto do eleitorado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.