Professores: BE e PCP pedem apreciação de decreto da contagem de tempo

Bloquistas e comunistas dizem que situação atual frustram "legítimas expectativas" dos professores e cria uma situação de desigualdade em relação a outros profissionais da Administração Pública e a professores das regiões autónomas.

O Bloco de Esquerda e o PCP pediram esta sexta-feira a apreciação parlamentar do diploma do Governo que estabelece a recuperação de 2 anos, 9 meses e 18 dias, em vez dos 9 anos 4 meses e 2 dias de trabalho pedidos pelos sindicatos de professores.

Segundo o pedido entregue pelo BE, "a situação existente atualmente gora as legítimas expectativas dos professores, cria uma situação de desigualdade em relação a outros profissionais da Administração Pública e a professores das regiões autónomas dos Açores e da Madeira e desrespeita a vontade da Assembleia da República".

Também o PCP está contra "a opção do Governo pelo não cumprimento do estipulado em sede de Orçamento do Estado e pelo apagão de mais de seis anos e meio de tempo de serviço efetivamente trabalhado pelos professores".

Este pedido obrigará o PSD a posicionar-se sobre o tempo de contagem a recuperar pelos professores: quando do Orçamento do Estado para 2019, os sociais-democratas apresentaram a proposta de o Governo sentar-se à mesa das negociações, mas sem tomar posição clara sobre se estão de acordo com o que pedem os professores.

Para os bloquistas, depois da aprovação pelo Governo do diploma, que acabou promulgado pelo Presidente da República, este pedido de apreciação "cumpre o seu compromisso de utilizar todos os meios parlamentares para que os professores possam recuperar todo o tempo de serviço congelado e assim ser ​​​​​​​corrigida a situação de desigualdade entre professores do Continente e os das regiões autónomas e em relação às carreiras do regime geral da função pública".

De acordo com a exposição de motivos do pedido dos bloquistas, "o diploma prevê apenas a recuperação de 2 anos, 9 meses e 18 dias dos 9 anos 4 meses e 2 dias de trabalho congelados" e, "além de não recuperar esse tempo na íntegra, prevê que os efeitos da recuperação parcial se façam quando o docente passa ao escalão seguinte, o que, além de ser uma forma de atrasar ainda mais a recuperação, cria situações de ultrapassagem de professores com mais tempo de serviço, por outros com menos tempo".

O BE recorda que, "desde o primeiro momento tem estado solidário com os professores e tem vindo a defender a contagem integral do tempo de serviço, participando nas ações dos sindicatos e movimentos de professores, reunindo várias vezes com essas estruturas".

Já o PCP entende que, "desde o primeiro minuto, que o reconhecimento do tempo não está sujeito a negociação, apenas sendo admissível a procura de soluções para que a expressão remuneratória devida aos professores encontre prazo e modo para ser concretizada".

Segundo os comunistas, "importa proceder à harmonização da situação no Continente com a integral contabilização do tempo de serviço já alcançada nas regiões autónomas".

[notícia atualizada às 12.00 com o pedido de apreciação do PCP]

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.