CEMGFA disposto a treinar militares estrangeiros para missões da ONU

Proposta feita pelo chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas numa reunião das Nações Unidas em Nova Iorque.

Os desníveis de treino e prontidão entre militares de diferentes países nas missões da ONU são "uma vulnerabilidade" operacional, como se vê na República Centro-Africana (RCA), afirmou o principal chefe militar português em Nova Iorque.

As posições do almirante Silva Ribeiro foram expressas esta quinta-feira nos EUA (já noite em Lisboa), durante a terceira edição da conferência de chefes do Estado-Maior-General das Forças Armadas (CEMGFA) de dezenas de países membros das Nações Unidas, disse esta sexta-feira ao DN o seu porta-voz.

Segundo o comandante Santos Serafim, o CEMGFA alertou que "muitos países não conseguem atingir" os padrões de treino e prontidão operacional definidos pela ONU - daí resultando um "empenhamento mais intenso e desgastante" das forças "devidamente preparadas e que demonstram a sua eficácia operacional", como tem sido o caso dos contingentes portugueses na RCA.

Os contingentes militares portugueses atuam na RCA como força de reação rápida do comandante operacional da Missão Multidimensional Integrada das Nações Unidas para a Estabilização da República Centro-Africana (MINUSCA), com autoridade para intervir em todo o país.

"Portugal pode apoiar, com essa experiência" acumulada e de resultados "amplamente reconhecidos" pelos parcerios e responsáveis estrangeiros, "o treino" de outros contingentes "antes da sua projeção para o terreno", a fim de atingirem os padrões operacionais definidos pela própria ONU, disse o CEMGFA.

A par do desempenho operacional das forças portuguesas da ONU na RCA, os resultados e o reconhecimento obtidos pela missão de treino da UE que Portugal liderou na RCA no último ano e meio também terão ajudado o almirante Silva Ribeiro a fundamentar as suas posições para melhoria do treino e desempenho das forças de "capacetes azuis", admitiu Santos Serafim.

Mulheres e geração de capacidades

O emprego de contingentes multinacionais nas missões da ONU, como forma de tornar mais eficiente a geração de capacidades nos teatros de operações, foi outro dos tópicos abordados pelo CEMGFA.

Segundo o seu porta-voz, o almirante evocou os exercícios anuais - denominados Felino - que as Forças Armadas dos países membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) como exemplo de aproveitamento e rentabilização das "capacidades, experiências e especialização" de cada participante."

"Esta abordagem permite enfrentar os desafios crescentes" nas missões da ONU, "reforçando a confiança e o apoio mútuo entre os Estados membros", daí resultando um "impacto significativo na coesão" dos contingentes multinacionais, argumentou Silva Ribeiro, citado pelo comandante Santos Serafim.

A participação das mulheres nessas missões militares das Nações Unidas foram outro tema da conferência dos CEMGFA da ONU, com Silva Ribeiro a enfatizar que as militares são uma real mais-valia para as missões de paz dos capacetes azuis.

Com a ONU a querer aumentar essa presença nos seus contingentes, o CEMGFA observou que as mulheres reforçam a capacidade das forças para compreenderem "cultural e socialmente o ambiente" dos países onde atuam. O comandante Santos Serafim adiantou ao DN que Silva Ribeiro exemplificou essas posições também com o desempenho das Forças Armadas na RCA.

As mulheres têm estado a atuar nas áreas do apoio de serviços e de combate mas, também e em particular no contingente agora destacado na RCA, acompanhando as unidades de combate dos Comandos como apontadoras de metralhadora e chefes de viaturas blindadas durante as operações no terreno, sublinhou o CEMGFA.