PCP vota contra pesar por massacre de Tiananmen

Todos os outros partidos, incluindo Os Verdes, parceiros de coligação dos comunistas, votaram a favor dos textos que manifestam pesar pelas vítimas do massacre de 1989, perpetrado pelo regime chinês.

Com o voto contra da bancada do PCP, a Assembleia da República aprovou esta sexta-feira dois votos de pesar em memória das vítimas de Tiananmen, um massacre perpetrado em 1989 pelo regime chinês.

Quer o texto apresentado pelo PAN, quer aquele que foi apresentado pelo CDS contaram com os votos favoráveis do PSD, PS, BE, CDS, PEV (parceiros de coligação dos comunistas), PAN e o deputado não-inscrito, Paulo Trigo Pereira. Só o PCP se levantou contra.

Segundo o texto do CDS (cujo texto foi distribuído em papel, não estando disponível online à hora de publicação deste texto), "ao assinalar [os 30 anos] do massacre de Tiananmen, [a Assembleia da República] nunca poderá dispensar evocar a vida de todos aqueles que perderam a vida perfilhando os valores da democracia e da liberdade, e renovando a nossa consciência política coletiva, para que as novas gerações saibam que a liberdade e a democracia são valores que se renovam e constroem todos os dias".

Para o PAN, "o número de pessoas assassinadas continua a ser um assunto tabu, sendo que volvidos 30 anos, não se conhece o número efetivo de vítimas que variará entre algumas centenas ou uma dezena de milhar de mortos", concluindo que "a emoção e o luto foram reprimidos pelo Governo chinês e até hoje as vítimas, diretas e indiretas, são censuradas e perseguidas".

Estes dois textos foram aprovados.

Ler mais

Exclusivos