ONU analisou esta semana proposta de alargar fundo do mar português

Capacidade de tirar dúvidas técnico-científicas dos peritos pode reduzir a extensão dos limites propostos e custar milhões de euros adicionais em novas campanhas de recolha de dados.

A proposta portuguesa para a extensão da sua plataforma continental (PC), para cerca do dobro dos atuais 1,8 milhões de quilómetros quadrados, começou a ser apreciada pelas Nações Unidas a 7 de agosto de 2017 e voltou nesta semana a estar em análise na subcomissão reunida em Nova Iorque.

A delegação portuguesa foi liderada por Isabel Botelho Leal, responsável da Estrutura de Missão para a Extensão da Plataforma Continental (EMEPC). O Ministério do Mar não respondeu ao DN até ao fecho desta edição, apesar de contactado há semana e meia.

Estados terceiros, além de Espanha e Marrocos, têm interesse direto na nova fronteira portuguesa.

A proposta portuguesa, entregue em maio de 2009, visa alargar a área do solo e subsolo da PC das atuais 200 milhas contadas a partir das linhas de base, seja a de costa ou as de base reta - que unem dois pontos da costa portuguesa e onde a água mais próxima de terra é considerada como água interior (não contabilizável no quadro da proposta).

Para representar o limite exterior da PC portuguesa é preciso calcular distâncias desde a linha de costa ou das de base, de acordo com uma referência geográfica comum a todo esse espaço.

Aqui poderá residir uma das dúvidas suscitadas pelos especialistas da subcomissão da ONU relativamente à proposta de Lisboa, segundo fontes militares ouvidas pelo DN em Lisboa - porque existem linhas de base definidas por Portugal mas que não são reconhecidas internacionalmente.

Sem indicar quais são esses casos, um dos oficiais deu - como exemplo hipotético - o das linhas retas que envolvem a ilha de São Miguel, o ilhéu das Formigas e a ilha de Santa Maria (como consta do quadro III do decreto-lei 495/85): embora esta linha de base em torno de dezenas de milhas quadradas da Zona Económica Exclusiva (ZEE) as qualifique como águas interiores e conste da lei portuguesa, sem ser reconhecida pela comunidade internacional não pode servir como um limite interior a partir do qual se deve iniciar a contagem das distâncias em estudo.

Ora, se a contagem da distância num ponto do sudoeste da ilha de São Miguel começar na linha de costa e não na linha de base, o limite da PC reclamada por Portugal nesse ponto será menor - e isso faz que, nos planos político e económico, Estados terceiros além de Espanha e Marrocos tenham interesse direto na delimitação desse novo espaço sob soberania portuguesa, admitiu uma alta patente.

Isso decorre do facto de mesmo os Estados não costeiros ficarem com o direito de explorar e aproveitar os recursos naturais existentes no solo e no subsolo marinhos para lá dos limites exteriores das PC dos países costeiros - a chamada Área.

No caso português, em especial nas áreas exteriores à ZEE na região dos Açores, estima-se haver um enorme potencial de riqueza em recursos minerais (desde ouro ao cobre, manganês, cobalto, platina ou zinco).

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.