Lei de Bases: Governo responde esta terça-feira à esquerda

É mais uma tentativa para salvar a Lei de Bases da Saúde à esquerda, depois de na última semana BE, PCP e PS terem colocado na mesa propostas para resolver o impasse na geringonça. Até ao lavar dos cestos é vindima.

O Governo irá responder até esta terça-feira às propostas da geringonça para salvar a Lei de Bases da Saúde à esquerda, depois de na última semana BE, PCP e PS terem colocado na mesa propostas para resolver o impasse existente sobre a "base XVIII" das parcerias público-privadas (PPP).

Até ao lavar dos cestos é vindima, justificaram várias fontes ao DN. E antes do grupo de trabalho de discussão da nova lei reunir ao fim da tarde, no Parlamento, para continuar a discussão das propostas de alteração e votações indiciárias, há debate quinzenal com o primeiro-ministro, que pode trazer algum novidade para oferecer um entendimento aos seus parceiros parlamentares.

A esquerda insiste que quer resolver a lei, revogando uma lei "da direita", aprovada em 1990 apenas pelo PSD e CDS, mas pode acontecer que esta terça-feira se some mais um impasse, que pode levar ao chumbo da lei numa votação geral final, atirando qualquer solução para a próxima legislatura. Também não é claro se o PSD acompanhará os socialistas na última hora.

Em causa estão os artigos da referida base dedicados à "organização e funcionamento do Serviço Nacional de Saúde" (SNS) e as normas transitórias da proposta de lei.

O PS definiu, na sua última proposta, "que a gestão pública dos estabelecimentos do SNS deve ser feita diretamente pelo Estado, salvaguardando, no entanto, situações de ocorrência excecional, segundo uma lógica supletiva e temporária e mediante fundamentação, da sua gestão, por via de contrato de direito público, não o ser", apresentando um prazo de 180 dias para, segundo os socialistas, avançar com "a regulamentação de toda a legislação complementar que se identifique como necessária".

É aquela "ocorrência excecional" que faz eriçar os pelos de bloquistas e comunistas, que defendem uma gestão pública do SNS. Nisso o PCP é taxativo: quer o primado da gestão pública do SNS, revogar a lei que criou as PPP e criar um regime transitório para as atuais se manterem até ao final dos contratos, mas os comunistas admitem a contratualização com o setor privado ou social se o Estado não tiver capacidade imediata de resposta em algumas áreas.

Já o BE propôs o adiamento da definição do modelo de gestão das unidades do SNS para legislação futura, a aprovar pelo Parlamento só na próxima legislatura, para salvar a proposta que está agora em debate, mas os socialistas foram avisando que a proposta bloquista era incoerente.

Presos pelo ponto 3 da base XVIII, os partidos da geringonça ensaiam esta terça-feira à tarde mais uma tentativa para fechar a lei. Onde já há entendimento é nas taxas moderadora, depois de na semana passada os partidos da esquerda parlamentar terem aprovado a dispensa a cobrança de taxa moderadora nos cuidados de saúde primários e nos vários atos de saúde desde que tenham origem no próprio Serviço Nacional de Saúde.

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.