Lei de Bases da Saúde. Entre a "foice e o martelo" e a "ideologia do negócio"

Debate de quatro propostas para uma nova Lei de Bases da Saúde mostrou um Parlamento dividido em dois blocos, com o PS a alinhar com BE e PCP

Deve haver mais Estado na Saúde ou menos Estado na Saúde? Esta foi a pergunta que atravessou hoje todo o debate parlamentar em torno de quatro propostas para uma nova Lei de Bases para o setor - e a resposta deixou clara a divisão da Assembleia da República em dois blocos, leia-se PS, BE e PCP versus PSD e CDS. A visão de cada um dos lados sobre o outro pode ser resumida assim: para a direita, o PS encaminha-se para uma lei "estatizante", construída "à força de foice e martelo" em função da maioria parlamentar do momento; para a esquerda, as propostas de sociais-democratas e centristas são um prolongamento da "lei infame" de 1990, uma "lei da Luz Saúde e do Grupo Mello" que "pensa mais nas clientelas e nos acionistas" do que no Serviço Nacional de Saúde.

Mas, se a oposição à direita foi muito clara, a convergência à esquerda foi mais ténue - BE e PCP apontaram virtudes ao texto do Executivo, mas foram avisando que a proposta ainda é insuficiente e que é preciso mais clareza.

Na abertura do debate, a ministra da Saúde, Marta Temido, referiu-se à relação entre o Serviço Nacional de Saúde (SNS) e o setor privado e social para defender que a matriz da atual lei, que coloca o SNS em concorrência com os privados, deve mudar. "Não queremos concessionar pela simples dificuldade em reformar, não queremos uma sangria dos nossos profissionais" para o privado, afirmou a ministra, antes de sublinhar:"Não nos peçam que alinhemos na falácia de que o mercado da Saúde é como qualquer outro". Em resposta à intervenção da titular da Saúde, PCP e BE lançaram o repto - é preciso acabar com as Parcerias Público-Privadas (PPP) na Saúde e extinguir as taxas moderadoras, dois pontos que afastam governo e PS das bancadas mais à esquerda.

Uma lei "à força de foice e martelo"

À direita, o deputado Ricardo Baptista Leite apontou baterias ao que diz ser uma proposta (a do governo) "pobre, equívoca e contraditória", que aposta num "modelo político de cariz estatizante" e construída "à força de foice e martelo". "A ideologia não dá saúde e que se saiba não cura doenças", afirmou o deputado social-democrata, frisando também que uma Lei de Bases da Saúde "é importante, mas não é tudo" - "Não há lei de bases que nos valha perante a má governação do país".

Também Isabel Galriça Neto, do CDS, defendeu que Portugal vive "um estado de emergência na saúde" e que não é uma lei de bases que vai resolver a "calamidade" em que se transformou este setor. Até porque, no caso da proposta do Executivo, trata-se de umtexto "minimalista, sem uma visão da saúde moderna e com ausência de valores e princípios.

PS revê-se "convictamente na proposta do governo"

Do lado do PS, a deputada e porta-voz socialista Maria Antónia Almeida Santos garantiu que o grupo parlamentar se "revê convictamente na proposta de lei do governo". Na intervenção final, Jamila Madeira disse que os socialistas estão disponíveis para melhorar a proposta, com o apoio dos "verdadeiros defensores" do SNS, mas não estão disponíveis "nem para privatizar, nem para estatizar a saúde".

Pelo Bloco de Esquerda, Moisés Ferreira acusou PSD e CDS de terem aprovado uma "lei infame" em 1990 (ao tempo de Cavaco Silva), que "abriu as portas às PPP" - "que nos custam 500 milhões de euros por ano". A direita quer "uma lei da Luz Saúde e do grupo Mello", acusou o deputado bloquista.

Também Paula Santos, do PCP, acusou sociais-democratas e centristas de seguirem a "ideologia do negócio", pondo o SNS ao serviço do financiamento de grupos privados. Já o PEV, pela voz do deputado José Luís Ferreira, defendeu que os privados devem ser colocados "no sítio certo" - "em segundo plano, com uma natureza meramente supletiva".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.