Morreu ex-presidente da Liga dos Combatentes

General Altino de Magalhães​​​​ (Exército) foi governador do distrito do Uíge (Angola) e presidiu à Junta Regional dos Açores.

Morreu esta quinta-feira o general do Exército Altino de Magalhães​​​​, em Oeiras. Os seus restos mortais vão estar sexta-feira em câmara ardente na Igreja de São João de Deus, em Lisboa.

O militar, que foi governador do distrito do Uíge (Angola) - cargo que acumulou com o comando da Zona Militar Norte - e presidiu à Junta Regional dos Açores, morreu de causas naturais.

O funeral vai decorrer sábado, no cemitério do Alto de São João, adiantou ao DN a agência funerária Servilusa.

Altino Amadeu Pinto de Magalhães, 96 anos, natural de Ribalonga, Carrazeda de Ansiães (Bragança), e tirou o curso de Infantaria na Escola do Exército, para onde entrara no final dos anos 1930. Mais tarde especializou-se em Transmissões.

O general na reforma, que nos últimos anos residia no Lar do Instituto de Ação Social das Forças Armadas (IASFA) em Oeiras, esteve durante a guerra colonial em Angola, onde foi governador do distrito do Uíge (21972-74).

Apoiante da revolução do 25 de Abril, Altino de Magalhães integrou a Junta Governativa de Angola em 1974. No ano seguinte torna-se governador militar dos Açores e comandante-chefe das Forças Armadas no arquipélago, funções que acumulou com as de presidente da Junta Regional.

Promovido ao posto de general (quatro estrelas) em 1979, Altino de Magalhães assumiu a presidência da Liga dos Combatentes em 1986 - cargo que desempenhou durante 10 anos, período em que foi construído e inaugurado o Monumento aos Combatentes do Ultramar (junto à Torre de Belém).

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.