Exército reforça Proteção Civil em Vila de Rei

Militares enviam uma cozinha de campanha e alimentos para fornecer refeições a pelo menos 600 bombeiros em Vila de Rei.

O Exército enviou este domingo uma cozinha de campanha e 10 militares da Escola dos Serviços para Vila de Rei (Castelo Branco), a fim de garantirem refeições a "pelo menos 600" bombeiros já ao almoço.

O Estado-Maior-General das Forças Armadas adiantou que o apoio do Exército está a ser prestado a pedido da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), sendo este ano a primeira vez que é mobilizada uma cozinha de campanha para esse efeito, disse o seu porta-voz ao DN.

Segundo o comandante Santos Serafim, os militares instalaram-se numa escola e têm provisões para dois dias (até ao jantar de segunda-feira).

Este apoio, saído da Escola dos Serviços do Exército na Póvoa de Varzim, segue-se ao envio no sábado, também pela primeira vez nesta época de fogos, de quatro máquinas de rasto - três do Exército e uma da Força Aérea - e 20 militares para as operarem na zona de Vila de Rei.

As Forças Armadas têm vindo a prestar apoio à ANEPC em matéria de fogos florestais desde a primavera, tendo o maior esforço sido atingido no final de maio e no início deste mês.

O fogo em Vila de Rei iniciou-se ao princípio da tarde de sábado e, segundo a ANEPC, estava controlado em 60% da sua área ao início da manhã deste domingo.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.