Europeias. Nuno Melo acusa Costa de dar "as mãos ao PREC"

O candidato do CDS-PP às europeias começou hoje, manhã cedo, a campanha, na Póvoa de Varzim, Porto, e a traçar fronteiras com o PS e António Costa que "deu as mãos ao PREC" para governar em 2015.

"A fazer pela vida", como disse ao homem a quem deu o primeiro "santinho" da manhã, ou panfleto, na gíria partidária, Nuno Melo avançou marginal abaixo cumprimentando as poucas pessoas que ali estavam àquela hora e a meio da avenida falou aos jornalistas.

O cabeça de lista traçou fronteiras e sublinhou que o PS de António Costa é diferente do de Mário Soares, fundador e líder histórico socialista, que esteve do lado do "25 de Novembro", como o CDS, contra os revolucionários de esquerda no Processo Revolucionário em Curso (PREC) de 1975.

"Basicamente, dr. António Costa deu as mãos ao PREC, com ele governa e nós somos o 25 de Novembro", disse.

Pelo terceiro dia consecutivo, apresentou o CDS como um partido da "direita da tolerância", democrática, colocou o PSD "ao centro", e pediu o voto no seu partido como forma de dar um sinal à Europa contra os extremismos.

Porque o risco de crescimento da extrema-direita e dos populismos existe, e tem um "voto militante", "era importante" que Portugal desse esse sinal "de tolerância", insistindo na ideia de o CDS ficar em terceiro lugar, à frente do BE e PCP, partidos que "defendem as ditaduras" na Coreia do Norte, Cuba ou Venezuela.

"Os portugueses nunca se enganam, quem se engana muitas vezes são os políticos"

Mas acabaram aí as referências à Europa e entrou na política interna de Portugal, onde "os extremismos se jogam à extrema-esquerda", com um Governo do PS, com o apoio dos partidos de esquerda.

Nuno Melo recordou que a coligação PSD/CDS-PP ganhou as eleições em 2015, que o PS as perdeu e se deixou "sequestrar" pela "agenda ideológica" da esquerda, "dos transportes à educação e à saúde" e que, ainda por cima, é muito cara", contribuindo para a má situação do país.

Se os partidos de direita voltarem a perder as eleições e PS e partidos de esquerda voltarem a ter maioria, Nuno Melo discorda que o eleitorado esteja errado.

"Os portugueses nunca se enganam, quem se engana muitas vezes são os políticos", afirmou, como disse ter acontecido com o primeiro-ministro, António Costa, quando "se convence que venceu as eleições" e, afinal, "perdeu" - "Governa, mas não venceu".

António Costa "é um habilidoso, consegue fazer das derrotas vitórias", afirmou, e "até governar sendo derrotado", quando em relação a outros dentro do PS "exigiu que se demitissem, tendo vencido", numa referência a António José Seguro, seu antecessor na liderança do partido, que desafiou por ter ganho as europeias de 2014 por "poucochinho".

Ler mais

Exclusivos

Premium

educação

O que há de fascinante na Matemática que os fez segui-la

Para Henrique e Rafael, os números chegaram antes das letras e, por isso, decidiram que era Matemática que seguiriam na universidade, como alunos do Instituto Superior Técnico de Lisboa. No dia em que milhares de alunos realizam o exame de Matemática A, estes jovens mostram como uma área com tão fracos resultados escolares pode, afinal, ser entusiasmante.