Portugueses na Europa."Espanha vê a Europa de duas formas: a da Catalunha e a do resto do país"

Como é que a Europa é vista no país onde vive? É a pergunta do DN aos portugueses que vivem em diferentes países da UE.

Miguel Pedro, 49 anos, vive há 16 anos em Espanha, mais propriamente na Catalunha, é gerente de vendas/marketing. Trabalha com empresas estrangeiras para o mercado português.

"Em Espanha há duas formas de ver a Europa: a da Catalunha e a do restante território espanhol. Em geral, os espanhóis votam no partido que vai representar a Espanha no Parlamento Europeu, votam como se fossem eleições internas, até porque aqui misturam vários atos eleitorais e quase não se distinguem as diferenças, a discussão sobre a Europa perde-se bastante. As eleições são no dia 26 e, na generalidade de Espanha, há eleições autonómicas, municipais e europeias. Na Catalunha só coincidem com as municipais. Na Catalunha, as eleições europeias são vistas como a oportunidade de votar em políticos que os representem como cidadãos, agora mais evidente que nunca com os dois candidatos protagonistas Carles Puigdemont e Oriol Junqueras. Em Espanha, as pessoas não falam tanto da Europa ou do projecto europeu como em Portugal, o projeto europeu é discutido no País Basco e na Catalunha, Na Catalunha há uma cultura política, sobretudo nos últimos dez anos, as questões da independência obrigou-os a ter maior consciência política, a informarem-se mais sobre os seus direitos, a conhecer melhor a Europa e apoiar o projeto europeu. Por exemplo, seria impensável votar um Brexit."

Leia os outros testemunhos.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.