Costa e César matam proposta que o BE estava a negociar com o Governo

Desde maio que o BE e o Governo negociavam a proposta bloquista que o CDS cognominou de "Taxa Robles". César e Costa puseram-lhe ontem um fim abrupto. Mas o BE ganhou um inesperado aliado

Confusão dentro da 'geringonça' - e dentro do PS - em torno da proposta do Bloco de Esquerda para taxar as mais-valias imobiliárias especulativas. Depois de o DN ter noticiado que o Governo estava recetivo à ideia, Carlos César, primeiro, e António Costa a seguir, mataram definitivamente as expetativas bloquistas, dizendo que a proposta nunca será terá os votos do PS.

O Bloco, apesar disso, vai insistir, querendo continuar as negociações e garantindo que irá formalizar a ideia quando se discutir o próximo Orçamento do Estado (OE 2019). Os termos exatos da proposta não são ainda conhecidos. E até se abriu uma porta à possibilidade de a "Taxa Robles" vir mesmo a ser aprovada, apesar dos votos contra do PS. Isto porque Rui Rio, líder do PSD, disse que a proposta "não é assim uma coisa tão disparatada".

"Não estou a dizer que somos favoráveis aquilo que possa vir a ser proposto pelo Bloco de Esquerda, agora não rejeito liminarmente, não é assim uma coisa tão disparatada, porque, efetivamente, uma coisa é comprarmos e mantermos durante 'x' tempo e outra coisa é andarmos a comprar e a vender todos os dias só para gerar uma mais-valia meramente artificial". Os votos somados do PSD + BE + PCP + PEV seriam suficientes para uma maioria favorável (125 votos, num total de 230).

A surpreendente tese de Rio já suscitou comentários críticos no PSD. No Facebook, José Eduardo Martins escreveu que assim o líder do PSD está a ignorar que "o risco e lucro são essenciais no nosso modelo de desenvolvimento" e a colocar o PSD "à esquerda do PS". "Tudo isto é muito perturbador...", concluiu.

O "não" rotundo que César transmitiu numa declaração à Lusa ("não há qualquer intenção do Grupo Parlamentar do PS aprovar a proposta do Bloco de Esquerda"), seguido de idêntica atitude por António Costa ("o que é fundamental para controlar os preços e combater a especulação é aumentar a habitação acessível. Não podemos tratar simplesmente esta matéria com propostas feitas à pressa. Deve haver aqui qualquer confusão") surpreenderam o BE.

Logo a seguir à declaração de César, feita à Lusa, Mariana Mortágua escreveu na sua página no Twiitter: "A especulação expulsa muita gente das cidades. A nossa proposta dirige-se a fundos que ñ constroem ou reabilitam, só inflacionam preços. Do CDS já esperávamos voto contra, do PS não. É errado fechar portas ao princípio sem discutir medida. Mantemos proposta nas negociações."

A esta informação, Mortágua somou uma outra, falando ao jornal I: "O combate à especulação imobiliária está a ser negociado com o governo desde maio de 2018. O mesmo aliás tinha dito Catarina Martins na segunda-feira: "[A proposta] parece-nos ter todas as condições para ser aprovada no próximo Orçamento do Estado. É uma medida que o Bloco de Esquerda vem a negociar desde maio com o Governo." A informação que já decorriam conversas desde maio foi havia sido confirmada ao DN por fonte do PS na terça-feira.

Proposta do BE foi apresentada a Mário Centeno em 19 de julho. Na semana passada houve conversas entre o BE e o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais

Foi nesse mês - antes, portanto, do "caso Robles", o vereador bloquista em Lisboa que se demitiu devido ao seu envolvimento num negócio imobiliário com lucros potenciais de quase 500% face ao investido - que o BE apresentou a proposta. Segundo o Jornal de Negócios, medida foi apresentada ao ministro das Finanças em 19 de julho, numa reunião onde estiveram também todos os seus secretários de Estado, nomeadamente o dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes. Na semana passada, o tema voltou a ser discutido numa reunião entre dirigentes bloquistas e António Mendonça Mendes.

Lucros taxados pela metade

Atualmente, a mais-valia da venda de uma casa é, em regra, sujeita a uma tributação, em sede de IRS, de 50% do valor que resulta da diferença positiva entre a compra e a venda do imóvel. É preciso ainda somar os encargos com a valorização, nos últimos 12 meses, como por exemplo, obras. Acrescentam-se também outras despesas com imobiliárias ou o imposto municipal sobre a transmissão onerosa de imóveis (IMT).

A mais-valia pode, no entanto, ter uma isenção total ou parcial. Nos casos em que o imóvel vendido é habitação própria e permanente e quando exista intenção ou concretização de reinvestir noutra casa, a mais-valia obtida pode ficar excluída de impostos. Mas há condições: a nova casa ter sido comprada entre os 24 meses anteriores e os 36 posteriores à venda do imóvel que gerou as mais-valias. Neste cálculo é preciso ter em conta (caso exista) o empréstimo associado à casa que gerou a mais-valia, mas também o empréstimo para a nova habitação.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."