César insinua ultimato à esquerda: ou "responsabilidade" ou "isolamento"

O tom foi suave mas o conteúdo não. O líder parlamentar do PS avisou hoje os partidos da esquerda sobre as consequências de um chumbo do OE 2019

Das duas, uma: ou "responsabilidade" ou "regresso ao isolamento". Foram estas as duas opções com que esta manhã Carlos César confrontou os partidos à esquerda do PS - da "maioria parlamentar", disse - face à discussão que se aproxima do Orçamento do Estado para 2019.

O líder da bancada do PS falava na Pousada do Alqueva, ao abrir o segundo e último dia das jornadas parlamentares do partido em Beja e Évora. A iniciativa será encerrada ao fim da manhã pelo líder do partido, António Costa.

Dizendo ao BE, PCP e PEV que devem ter "orgulho" no que já foi alcançado pelo Governo do PS, no crescimento do emprego ou no reforço dos direitos laborais, o líder parlamentar disse que a "apreciação" do OE deve ser "marcada pela convergência" mas também por um "indispensável sentido de responsabilidade" - e "outra coisa não se espera" dos parceiros da 'geringonça'

Depois acrescentou: "Nem o Partido Socialista se desviará do seu percurso nem a esquerda quer voltar a um regime de isolamento". Mas mais do que isso: não só os parceiros do PS não se podem arriscar a situação de "isolamento" como também de "falta de influência" (e o resto da frase de César foi abafada pelos aplausos dos deputados do PS).

Antes, já tinha afirmado que os "sucessos" da governação do PS foram conseguidos com a "contribuição e sensibilidade indispensáveis" dos partidos à esquerda do PS - frase a que os deputados do PS reagiriam com indiferença, não a aplaudindo.

E prosseguiu: "Não estamos muitas vezes em acordo e somos às vezes exuberantes nas discordâncias". Mas - sublinhou - "é bom que esses partidos marquem as diferenças" porque isso "ajuda-nos a todos a crescer e a maturar as decisões" e, além disso, a "esclarecer os eleitores".

Avisos ao Governo

Os partidos à esquerda do PS foram alvo de avisos por parte do líder parlamentar do PS mas o Governo também. César reafirmou que a sua bancada introduzirá mudanças na proposta de lei que o Governo apresentou no Parlamento para traduzir o acordo que fez na Concertação Social de revisão do Código Laboral. "Vamos melhorar esse acordo [de concertação social] impedindo abusos que o pervertam", afirmou - numa referência implícita à questão do prolongamento do período experimental dos contratos de trabalho.

Se as propostas já foram objeto de concertação social, agora é "o tempo da concertação parlamentar" - "é isso que faremos com liberdade e responsabilidade que nos são próprias".

Ao mesmo tempo piscou o olho aos parceiros da 'geringonça" para viabilizarem essas alterações - agora que o PSD ameaça dizer 'não' à proposta se ela alterar o acordado com os parceiros sociais. "O acordo é benéfico para os trabalhadores", é "pioneiro na dignificação do trabalho", "promove a limitação contratos a termo" e introduz a taxa de rotatividade que penaliza empresas assentes em trabalho temporário".

Cavaco na mira

Também na mira do líder parlamentar do PS esteve o ex-Presidente da República Cavaco Silva, que há dias voltou a ter voz pública para criticar o desinteresse histórico do poder político e partidário no combate à desertificação do interior (no seu entender porque no interior os votos são poucos).

Neste contexto, começou por reivindicar para o seu partido - referindo em particular os nomes de António Guterres, João Cravinho e Capoulas Santos (presente na sala) - o impulso decisivo que levou à conclusão da construção da barragem do Alqueva.

Depois afirmou que "as assimetrias devem continuar a ser uma preocupação do PS" - mas dizendo ao mesmo tempo que elas resultam "de um tempo longo em que o interior pouco contava" e "de forma muito particular para a direita" dos "yuppies e tecnocratas do cavaquismo".

Dirigindo-se ao Governo do PS, disse que "há uma tendência natural de concentração das atividades económicas" no litoral. E por isso "é importante que a atividade governativa tome medidas que atenuem essa tendência natural".

Foi também criticando a direita - mas agora a representada no Governo de Passos Coelho entre 2011 e 2015 - que o dirigente socialista contextualizou os atuais problemas do SNS.

Se há problemas é porque "não é possível fazer tudo" e "recuperar como gostaríamos e no tempo em que gostaríamos". Mas isso explica-se "por causa do que o SNS sofreu" entre 2011 e 2015" e "não por causa das 35 horas, como diz o PSD" ("já temos mais médicos do que tínhamos em 2011, quando havia 35 horas"). "Ainda pesam sobre nós os efeitos de uma austeridade cega que destruiu eficiências da administração."

Para a direita atualmente representada no Parlamento também dirigiu ataques, a propósito das questões da demografia.

"Há alguns setores e partidos que despertaram agora para essas questões", afirmou. Sublinhando que é de facto necessária "uma verdadeira estratégia política concertada de apoio às famílias", ressalvou no entanto logo de seguida que isso "tem muito pouco a ver com as propostas do PSD" recentemente apresentadas - "e que o CDS diz que lhe foram plagiadas".

Esse plágio, aliás, resulta no seu entender de, entre 2011 e 2015, os dois partidos terem "convivido sem remorso com uma queda da natalidade superior à das duas décadas anteriores".

Além do mais, as acusações que agora o PSD e o CDS trocam revelam também uma luta entre os dois partidos onde "já não se conhecem limites" - e que levam o CDS, no dizer de César, a fazer sucessivas propostas que retiram centenas de milhões ao erário público (primeiro a de diminuição do IRS no interior e depois a de diminuição dos preço dos combustíveis por via fiscal).

Enfim, concluiu: "Com tantas centenas de milhões retirados ao OE é difícil fazer os investimentos que ao mesmo tempo exigem."

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."