Bloco e PCP disputam paternidade de lei que terá incomodado interesses imobiliários

Deputado comunista diz que lei "resultou de uma proposta na especialidade apresentada pelo PCP". BE responde que a sua proposta é anterior.

Depois da renúncia do vereador bloquista de Lisboa, Ricardo Robles, BE e PCP engalfinharam-se nesta segunda-feira na reivindicação da autoria da lei sobre "direito de preferência dos inquilinos na compra da habitação em que vivem". Nesta segunda-feira de manhã, o deputado comunista António Filipe reivindicou a autoria comunista do "texto final do diploma". O BE respondeu esta tarde, depois de a revista Sábado ter feito notícia do post de António Filipe, dizendo que a proposta inicial é do PCP.

"Só para que conste", escreveu o deputado comunista: "O texto final do diploma (que ainda não seguiu para Belém, mas seguirá em breve) sobre direito de preferência dos inquilinos na compra da habitação em que vivem (que abrange o conhecido caso da Fidelidade) resultou de uma proposta na especialidade apresentada pelo PCP." A proposta comunista é de 9 de julho, como prova o documento que o deputado partilha nas redes sociais.

O BE respondeu nesta segunda à tarde através de uma nota da sua assessoria de imprensa, em que defende que o projeto inicial é bloquista. "O Bloco de Esquerda apresentou o projeto 848/XIII/3.ª, que aprimora o direito de preferência como forma de resposta à venda por atacado de edifícios, em casos como o da Fidelidade", diz o texto bloquista, referindo-se a um projeto que deu entrada no Parlamento a 27 de abril deste ano.

Trata-se de uma nuance de uns e outros: o BE fala da proposta inicial, o deputado comunista do texto final. A paternidade é comum, alargada a socialistas, como admite a própria nota à comunicação social dos bloquistas.

"A proposta original [do Bloco] definia em 90 dias o prazo em que o inquilino pode exercer o direito de preferência e exigia a constituição de propriedade horizontal por parte do vendedor no momento da venda, de modo a tornar possível o exercício daquele direito sobre cada fração. Pela urgência de uma resposta legislativa ao problema suscitado pelo caso da Fidelidade, o projeto foi destacado da discussão do pacote de habitação e aprovado em votação final global a 18 de julho. Os grupos parlamentares puderam apresentar propostas de alteração até 6 de julho. Com as propostas do PS e do PCP, o prazo dado aos inquilinos para o exercício do direito de preferência ficou limitado a 30 dias após o aviso; já a constituição de propriedade horizontal passa a depender de pedido do inquilino."

No sábado, a coordenadora do BE, Catarina Martins, tinha apontado o dedo às "capas de jornal que dizem mentiras sobre o vereador do BE na Câmara de Lisboa", "na mesma altura em que o Parlamento aprovou legislação importante para proteger os inquilinos e em que aguardamos, por exemplo, a promulgação a breve trecho do direito de preferência sobre a propriedade que permite que o inquilino possa comprar só a sua fração quando o senhorio quer vender todo o empreendimento e, por isso, será um grande obstáculo a negócios que estão a ser preparados, nomeadamente a Fidelidade, que quer vender um enorme número de prédios em várias zonas do país".

Segundo os bloquistas, "apesar de menos avançada do que a proposta original do Bloco, a nova lei é um progresso importante, assegurado na Assembleia da República com os votos dos três partidos, Bloco, PS e PCP. Como é público, a sua entrada em vigor está agora pendente da promulgação pelo Presidente da República".

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.