Bloco e PCP disputam paternidade de lei que terá incomodado interesses imobiliários

Deputado comunista diz que lei "resultou de uma proposta na especialidade apresentada pelo PCP". BE responde que a sua proposta é anterior.

Depois da renúncia do vereador bloquista de Lisboa, Ricardo Robles, BE e PCP engalfinharam-se nesta segunda-feira na reivindicação da autoria da lei sobre "direito de preferência dos inquilinos na compra da habitação em que vivem". Nesta segunda-feira de manhã, o deputado comunista António Filipe reivindicou a autoria comunista do "texto final do diploma". O BE respondeu esta tarde, depois de a revista Sábado ter feito notícia do post de António Filipe, dizendo que a proposta inicial é do PCP.

"Só para que conste", escreveu o deputado comunista: "O texto final do diploma (que ainda não seguiu para Belém, mas seguirá em breve) sobre direito de preferência dos inquilinos na compra da habitação em que vivem (que abrange o conhecido caso da Fidelidade) resultou de uma proposta na especialidade apresentada pelo PCP." A proposta comunista é de 9 de julho, como prova o documento que o deputado partilha nas redes sociais.

O BE respondeu nesta segunda à tarde através de uma nota da sua assessoria de imprensa, em que defende que o projeto inicial é bloquista. "O Bloco de Esquerda apresentou o projeto 848/XIII/3.ª, que aprimora o direito de preferência como forma de resposta à venda por atacado de edifícios, em casos como o da Fidelidade", diz o texto bloquista, referindo-se a um projeto que deu entrada no Parlamento a 27 de abril deste ano.

Trata-se de uma nuance de uns e outros: o BE fala da proposta inicial, o deputado comunista do texto final. A paternidade é comum, alargada a socialistas, como admite a própria nota à comunicação social dos bloquistas.

"A proposta original [do Bloco] definia em 90 dias o prazo em que o inquilino pode exercer o direito de preferência e exigia a constituição de propriedade horizontal por parte do vendedor no momento da venda, de modo a tornar possível o exercício daquele direito sobre cada fração. Pela urgência de uma resposta legislativa ao problema suscitado pelo caso da Fidelidade, o projeto foi destacado da discussão do pacote de habitação e aprovado em votação final global a 18 de julho. Os grupos parlamentares puderam apresentar propostas de alteração até 6 de julho. Com as propostas do PS e do PCP, o prazo dado aos inquilinos para o exercício do direito de preferência ficou limitado a 30 dias após o aviso; já a constituição de propriedade horizontal passa a depender de pedido do inquilino."

No sábado, a coordenadora do BE, Catarina Martins, tinha apontado o dedo às "capas de jornal que dizem mentiras sobre o vereador do BE na Câmara de Lisboa", "na mesma altura em que o Parlamento aprovou legislação importante para proteger os inquilinos e em que aguardamos, por exemplo, a promulgação a breve trecho do direito de preferência sobre a propriedade que permite que o inquilino possa comprar só a sua fração quando o senhorio quer vender todo o empreendimento e, por isso, será um grande obstáculo a negócios que estão a ser preparados, nomeadamente a Fidelidade, que quer vender um enorme número de prédios em várias zonas do país".

Segundo os bloquistas, "apesar de menos avançada do que a proposta original do Bloco, a nova lei é um progresso importante, assegurado na Assembleia da República com os votos dos três partidos, Bloco, PS e PCP. Como é público, a sua entrada em vigor está agora pendente da promulgação pelo Presidente da República".

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.