Bebidas energéticas podem afetar saúde mental dos militares

Soldados preferem agora bebidas energéticas à companhia dos maços de cigarros. Mas os efeitos na sua saúde continuam a ser negativos.

Comportamentos agressivos, problemas de saúde mental e cansaço revelados por militares nos primeiros sete meses de regresso a casa, após estarem em missões de combate, estão "significativamente relacionados" com o consumo diário de duas ou mais bebidas energéticas.

Esta conclusão consta de um estudo feito por psicólogos militares dos EUA, publicado recentemente pela revista Military Medicine, que acompanharam 627 soldados - todos homens - durante os primeiros sete meses de regresso a casa, depois de estarem um ano no Afeganistão.

Esse é o dobro do tempo que os soldados portugueses destacados no Afeganistão e nos outros teatros de operações, onde o seu acompanhamento por psicólogos militares começa semanas antes de terminar a missão. Porém, "não há estudos" sobre o efeito das bebidas energéticas nos militares, disse ao DN o tenente-coronel Garcia Lopes, chefe do Núcleo de Apoio e Intervenção Psicológica (NAIP) do Exército.

"A bebida energética está disponível nos teatros de operações" e por isso "é natural" que os militares, em função do treino físico intenso e por fazerem turnos noturnos, consumam essas bebidas "como quem bebe dois cafés", explicou Garcia Lopes.

"Não sei se [elas] são matérias viciantes", mas o seu consumo "faz algum sentido no âmbito da atribuição de missões de elevada exigência e risco", observou ainda o psicólogo clínico militar.

Estudar efeitos noutros grupos profissionais

Esse consumo diário de duas ou mais bebidas energéticas está "significativamente relacionado com problemas de saúde mental, comportamentos agressivos e cansaço" e, segundo a principal responsável da investigação, Amy Adler, importa compreender melhor o efeito dessas bebidas noutras áreas de atividade com elevados níveis de stress.

"Pode haver outros grupos de alto risco, como polícias, bombeiros, socorristas ou outros" em que o consumo da cafeína possa ter também efeitos negativos, admitiu Amy Adler, citada pelo canal ABC11. "São grupos a que queremos prestar atenção porque pode haver uma maneira de minorar os problemas de saúde mental" existentes, acrescentou.

Compreender melhor a fase de transição dos militares entre a fase da estada em áreas de combate e o regresso a casa foi o ponto de partida do estudo feito pelos psicólogos do Instituto de Pesquisa do hospital militar norte-americano Walter Reed (Exército).

Mas após os primeiros dias de observação, "questionámo-nos sobre a absoluta prevalência" do consumo de bebidas energéticas com cafeína em soldados "muito jovens", referiu aquela psicóloga militar.

Do total de 627 soldados seguidos pelo hospital Walter Reed, 75,7% disseram consumir bebidas energéticas - dos quais 16,1% duas ou mais por dia. Neste universo em particular, a par dos problemas de saúde mental registava-se uma "associação paradoxal com a fadiga", concluíram os investigadores.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.