Geringonça. PCP aceita reunir com PS amanhã às 16:00

O encontro terá lugar na sede dos comunistas em Lisboa. O Comité Central do partido está hoje a analisar os resultados.

O anúncio do encontro foi feito pelo PCP, numa nota de agenda enviada às redações. "Delegações do PCP e do PS terão um encontro a pedido deste, amanhã, quarta-feira, às 16h00, na sede nacional do PCP (Soeiro Pereira Gomes)", lê-se.

A nota não indica quem chefiará as delegações dos dois partidos - embora se saiba que pelo PS será António Costa, implicando isso que pelo PCP seja Jerónimo de Sousa.

A delegação comunista integrará ainda Francisco Lopes, Jorge Cordeiro, José Capucho (todos do Secretariado do Comité Central do PCP) e João Oliveira (líder parlamentar).

Na noite eleitoral, Jerónimo de Sousa disse que o PCP não está disponível desta vez para compromissos escritos com o PS.

"Não haverá a cena do papel", afirmou secretário-geral dos comunistas, para com isto significar que, agora, os comunistas não querem nenhuma "posição conjunta" com o PS.

O secretário-geral do PS faz na quarta-feira a primeira série de reuniões com as forças parlamentares de esquerda, começando com o Livre logo de manhã e terminando ao fim da tarde na sede do Bloco de Esquerda.

Amanhã, o périplo de António Costa pelas sedes dos partidos parlamentares à esquerda do PS começará às 10.00, na sede do Livre. Ao início da tarde, pelas 14.00, a delegação socialista estará no PEV, seguindo depois para a sede do PCP (16.00) e terminando na do Bloco de Esquerda (18.00).

A delegação do PS será constituída por António Costa, Carlos César (presidente do partido), Ana Catarina Mendes (secretária-geral adjunta), e Duarte Cordeiro (secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares).

Liderando a CDU (Coligação Democrática Unitária, que integra também o PEV), o PCP perdeu cinco deputados no sufrágio de domingo (de 17 para 12) e recuou para o pior resultado de sempre em legislativas, ligeiramente abaixo do de 2002, embora mantendo-se como quarta força política, com 6,46% (e 329 117 votos).

Exclusivos

Premium

Vida e Futuro

Formar médicos no privado? Nem a Católica passa no exame

Abertura de um novo curso de Medicina numa instituição superior privada volta a ser chumbada, mantendo o ensino restrito a sete universidades públicas que neste ano abriram 1441 vagas. O país está a formar médicos suficientes ou o número tem de aumentar? Ordem diz que não há falta de médicos, governo sustenta que "há necessidade de formação de um maior número" de profissionais.