Deputado do Porto multado por publicação racista

David Ribeiro terá partilhado uma publicação de teor racista e xenófobo, intitulada "Ciganos romenos no Porto".

A Comissão Contra a Discriminação Racial condenou o deputado municipal do Porto David Ribeiro pela prática de discriminação racial, confirmou esta sexta-feira a associação SOS Racismo, exigindo que o deputado deixe de exercer funções de imediato. Em causa estão as publicações do deputado municipal eleito pelo movimento Rui Moreira - Porto, o nosso partido, no Facebook, no qual a 22 de julho escreveu um texto com o título "Ciganos romenos no Porto".

"O SOS Racismo foi notificado da decisão proferida pela Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial (CICDR), da condenação do deputado à Assembleia Municipal do Porto, António David Ribeiro dos Santos, na coima de 428,80 euros, pela prática de atos de discriminação racial, sob a forma de assédio", lê-se num comunicado.

A publicação fazia referência a "um grupo de 20 a 30 romenos, maioritariamente mulheres e jovens" que, apontava o deputado, "criaram um autêntico martírio aos residentes e comerciantes da zona", sendo descritos problemas com lixo depositado e furtos em supermercados.

"A decisão condenatória da CICDR é ainda suscetível de impugnação judicial, contudo, o SOS Racismo congratula a Comissão pela decisão que, fazendo cumprir a Lei, condenou o teor racista e xenófobo das declarações acima proferidas", sublinhou a associação.

Segundo o SOS Racismo, "é particularmente grave que um responsável autárquico, com funções de representação do povo que o elegeu, difunda e torne públicas mensagens de natureza discriminatória, em afirmações pontuadas por preconceitos e por insultos", pelo que, neste contexto, "exige que António David Ribeiro dos Santos assuma as consequências dos seus atos e deixe, imediatamente, de exercer as funções de deputado à assembleia municipal do Porto".

A associação exige também que os deputados municipais do "Porto, o nosso movimento", força maioritária pela qual o deputado António David Ribeiro dos Santos foi eleito, "se pronunciem sobre estes factos e sobre as palavras e teor racista e xenófobo da mensagem do seu companheiro de bancada". "O silêncio já não é admissível", acrescentou.

O SOS Racismo apela ainda a todos os agentes políticos que não recorram, nem adotem discursos de ódio, racistas ou xenófobos e que as entidades competentes assegurem o cumprimento eficaz e efetivo da Lei.

De acordo com o SOS Racismo, "este processo de contraordenação foi instaurado em função de denúncias apresentadas pelo SOS Racismo, e por outras pessoas e entidades, que visavam textos publicados pelo referido deputado, na sua página da rede social Facebook, nos quais um conjunto de 'ciganos romenos', apelidados de 'energúmenos', eram acusados de ocupação indevida de terrenos na zona da Boavista, de prática de crimes de furto e de perturbação da ordem pública".

A Lusa tentou contactar o deputado municipal António David Ribeiro dos Santos, mas sem sucesso, dado o adiantado da hora.

Na publicação de António David Ribeiro dos Santos que foi posteriormente eliminada, lia-se: "Não, não sou racista nem xenófobo, mas sou declaradamente contra quem recusa qualquer tipo de ajuda social e prefere continuar a viver da mendicidade e do pequeno furto e continuar a dormir em jardins públicos conspurcando os terrenos que são de todos nós. Qual é a solução? Não sei se alguém sabe, mas há que refletir sobre a situação e encontrar rapidamente formas eficazes de proteger os cidadãos destes energúmenos".

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.