Centeno quer chegar ao final de junho com superavit, diz Marques Mendes

A meta do governo para o défice neste ano é de 0,2% do PIB, mas o ministro das Finanças quer ir mais longe. Certeza avançada por Marques Mendes nesta noite, na SIC.

"O ministro das Finanças quer fazer um brilharete para efeitos eleitorais. Ele quer chegar ao fim do primeiro semestre deste ano, no fim de junho, com o défice a zero ou até com um superavit [saldo positivo nas contas públicas]."

Para Luís Marques Mendes, é isto que explica a irredutibilidade do governo em relação a várias pretensões setoriais (professores, enfermeiros, etc.). "Assim sendo, não há dinheiro para tudo! Para enfermeiros, professores, magistrados e outros grupos profissionais", disse o ex-líder do PSD, nesta noite.

Falando no seu habitual espaço de comentário político semanal na SIC, Mendes considerou que o facto de o governo ter decidido retomar negociações com professores, enfermeiros, magistrados e com os hospitais privados no caso da ADSE significa apenas que o está "assustado": "com a greve de fome de um enfermeiro", que é "um ato de desespero que, a prazo, se podia virar contra o governo"; "com as reações dos funcionários públicos", que "são a sua base de apoio eleitoral" (no caso da ADSE); e "com a queda do PS nas sondagens", queda que se explica com as greves, "que não matam mas moem" e "criam desgaste".

Assim - prosseguiu - agora o executivo divide-se entre um "polícia bom" (António Costa, disponível para negociações) e um "polícia mau" (o ministro das Finanças, Mário Centeno), sempre a dizer que "não há dinheiro para fazer cedências", até porque "a economia está a cair", significando isso que "haverá menos receitas do Estado", "o que implica cativar mais e evitar mais despesa".

Marques Mendes comentou ainda a moção de censura do CDS ao governo que o Parlamento chumbou nesta semana, pela conjugação dos votos contra da esquerda (PS+BE+PCP+PEV+PAN). Um debate que "não disse praticamente nada" ao país e, além disso, assente num "exercício de hipocrisia política" (a de o CDS dizer que quer eleições antecipadas e a de o governo dizer que devem ser no prazo normal, outubro próximo).

"Nada de mais hipócrita: o CDS e o PSD, se pudessem, adiavam as eleições para 2020 - é que todos os meses o PS está a perder votos. E o governo, se pudesse, já as tinha antecipado para 2018" porque "para o PS quanto mais cedo melhor, para estancar o desgaste que se vai evidenciando", afirmou.

O comentador elencou ainda os desafios que representam para os partidos com assento na AR as próximas eleições europeias (maio). "O PS [que tem oito eurodeputados eleitos] precisa de ganhar e com folga" porque "estas eleições são umas primárias das legislativas"; quanto ao PSD [seis eurodeputados eleitos] a meta deve ser "ganhar ou, no mínimo, perder por pouco" - e se assim não for "parte completamente derrotado para as legislativas"; o PCP, pelo seu lado, tem uma "tarefa difícil" porque teve há cinco anos um "excelente resultado" [três eleitos], sendo certo que manter isso "não é fácil" (embora uma grande abstenção favoreça o partido); o BE [um eleito apenas, Marisa Matias] "precisa de subir" o que é um "desafio difícil", o mesmo acontecendo com o CDS ("crescer em votos e deputados").

Para Marques Mendes, as europeias serão também importantes para o Aliança, o partido criado por Pedro Santana Lopes: "Precisa de eleger um deputado, dessa forma tem uma vitória. Se não eleger ninguém é um flop. Uma falsa partida."

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.