Bloqueio da ponte. O princípio do fim do cavaquismo foi há 25 anos

A 24 de junho de 1994, o bloqueio da Ponte 25 de abril, em protesto contra o aumento das portagens, terminou em confrontos com a polícia e com uma carga policial sobre os manifestantes. Um jovem foi baleado e ficou paraplégico

Faz segunda-feira 25 anos. Faltava pouco para as sete da manhã do dia 24 de junho de 1994 quando seis camiões bloquearam o acesso sul da ponte 25 de abril, num movimento de contestação popular após dias de "buzinão" de automobilistas, que provocava todas as manhãs longas filas de carros. O bloqueio da ponte sobre o Tejo, contra o aumento das portagens de 100 para 150 escudos, marcou o princípio do fim do "cavaquismo", num clima de confronto entre o governo liderado por Cavaco Silva e o Presidente Mário Soares.

Além da RTP, nessa altura estavam já no ar a SIC e a TVI, que fizeram horas de emissões em direto, nesse dia e nos seguintes, mostrando imagens dos engarrafamentos que atingiram quase 50 quilómetros, até Setúbal, e depois os confrontos com a polícia.

Mostraram, desde manhã cedo, o bloqueio, e a chegada à praça da portagem do helicóptero do então ministro da Administração Interna, Dias Loureiro, bem como o apedrejamento pelos populares das forças policiais, as cargas da força de intervenção da GNR ou as detenções de manifestantes. Tudo em direto. À noite, já depois de desimpedida a passagem na ponte e de se voltar a pagar as portagens, grupos de motoqueiros tentaram retomar o bloqueio. E foi de madrugada que se deu a carga policial em que um jovem de Almada ficou ferido e paraplégico.

O bloqueio apanhou o então primeiro-ministro, Cavaco Silva, na Grécia, numa cimeira europeia, e foi o ministro da Defesa, Fernando Nogueira, a responder à crise. Dias Loureiro, com a tutela das polícias, foi à ponte para falar com os organizadores do protesto, e tentar um acordo. Em vão. Dias Loureiro diria que apesar de "algum protesto genuíno e espontâneo", havia "uma mão política escondida" atrás da organização. E Cavaco Silva acrescentou que os responsáveis seriam "pessoas ligadas ao Partido Comunista ou aos partidos da extrema-esquerda".

Há 25 anos Portugal tinha saído de umas eleições europeias, em 12 de junho, em que o PS ganhara ao PSD por uma margem mínima (meio ponto percentual). O país era governado há nove anos por Cavaco Silva e pelo PSD, com uma segunda maioria absoluta conseguida nas eleições de 1991. Um resultado que apanhou de surpresa Mário Soares, o fundador e líder histórico do PS que chegou à Presidência da República em 1986 e que, nessa altura, já criticara os tiques de autoritarismo da maioria laranja.

Depois de um primeiro mandato pacífico entre São Bento e o Palácio de Belém, as relações Cavaco-Soares azedaram e ganharam contornos de confrontação mais ou menos aberta, por exemplo durante a chamada "Presidência Aberta" em 1993, em que o presidente "destapou" casos de pobreza na região de Lisboa.

O bloqueio da ponte ditou mais algumas conversas tensas entre Cavaco Silva e Mário Soares, com o presidente a criticar abertamente a estratégia do Governo na gestão da crise. E foi em 22 de setembro que o Chefe do Estado falou e fez a defesa do "direito à indignação" dos cidadãos, no seminário "O Estado de Direito, o Advogado e a Proteção dos Direitos do Cidadão".

Depois de, em maio de 1993, ter dito que não sabia se iria recandidatar-se nas eleições, em outubro o semanário Expresso noticiou o famoso "tabu" e titulou: "Cavaco pode deixar a liderança do PSD." O primeiro-ministro deixaria mesmo o PSD que, com Fernando Nogueira na liderança perdeu as eleições de 1995 para o socialista António Guterres.

"As coisas não voltaram a ser iguais"

Fernando Lima, ex-assessor de Cavaco Silva, admite que o bloqueio da ponte 25 de Abril foi um momento de viragem no cavaquismo, em que "as coisas não voltaram a ser iguais" e se antecipava o "fim de um ciclo".

Após o bloqueio da ponte seguiram-se semanas de dura contestação ao governo e, por fim, no final do ano, o aumento das portagens.

"As coisas não voltaram a ser iguais e ainda faltava um ano para o Governo cumprir o mandato, com uma tarefa muito complexa pela frente que era preparar Portugal para a adesão à nova moeda europeia. Quando em finais de outubro de 1994 o Expresso notícia em manchete que Cavaco Silva podia deixar a liderança do PSD, não se recandidatando à presidência do partido, tal só podia significar que se fecharia um ciclo. Assim veio a verificar-se", lembra o antigo assessor, que acompanhou o ex-primeiro-ministro da década de 1980 aos tempos da Presidência da República (2006-2016).

Olhando para os acontecimentos de há um quarto de século, Lima explica o que aconteceu na ponte com "uma conjugação de fatores", a começar pela "erosão de nove anos de poder", juntando-lhe o "clima económico em Portugal", o "descontentamento popular", e a "grave crise económica" que a Europa vivia - a França era "varrida nessa altura por manifestações violentas".

Para Fernando Lima, que descreveu o que viveu nesses anos no livro O meu tempo com Cavaco Silva, e os recordou agora à agência Lusa, a oposição "apostava fortemente na crispação política" para debilitar os sociais-democratas "por todos os meios". "O aumento inesperado do preço da portagem da ponte serviu de catalisador com a repercussão e efeitos que se conhecem", aponta.

E podia o Governo de Cavaco Silva ter caído naqueles dias de junho? No livro publicado em 2004 Fernando Lima admitiu esse cenário como possível, mas só se "não tivesse agido com firmeza", com o recurso à força para "preservar o princípio do exercício da autoridade do Estado", como agora lembrou à Lusa - "No dia do bloqueio, a continuidade do Governo nunca esteve em causa, mas o prolongamento da crise por várias semanas fez pensar no governo se tinha condições para poder exercer a sua autoridade face aos desafios de ordem pública com que estava a ser confrontado".

"Um ponto de referência no exercício da cidadania em Portugal"

"Este movimento de cidadãos na Ponte 25 de Abril criou um novo paradigma dos protestos - a partir daí as populações adotaram o buzinão, os trocos [dificultados com notas de elevado valor] e as marchas lentas como forma de protesto em diversas causas - e foi o ponto mais alto e de referência do movimento de cidadania e do exercício da cidadania", diz também à Lusa Aristides Teixeira, que participou nos protestos e alguns dias depois do bloqueio se tornou presidente da nova Associação Democrática de Utentes da Ponte 25 de Abril (ADUP).

Como recorda Aristides Teixeira, "o então ministro das Obras Públicas, Ferreira do Amaral, justificou o aumento das portagens com a necessidade de se observar o princípio do utilizador-pagador, mas os utentes defendiam, já nessa altura, que as portagens se destinavam apenas a pagar a construção da ponte, tal como tinha sido anunciado pelo anterior regime, que previa a extinção das mesmas quando o custo da obra estivesse liquidado, o que, na realidade, nunca aconteceu".

Embora os primeiros protestos tivessem começado em 18 de junho, com muitos automobilistas a buzinarem sempre que atravessavam a ponte, o bloqueio terá apanhado o executivo de surpresa, alega. "Isto apanhou o governo desprevenido. Os membros do governo já se tinham esquecido do que tinham decidido há cinco meses e aquilo caiu-lhes quase como um presente envenenado, porque se aproximavam eleições. Não era conveniente", diz Aristides Teixeira.

"Com Mário Soares [Presidente da República] a dizer que tínhamos direito a manifestar a nossa indignação, o governo estava perfeitamente aflito, não sabia o que fazer e a decisão que tomou só podia ser a de suspender as portagens", acrescentou.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...