"Acha que a polícia não sabe onde há armas ilegais e onde se vendem?"

Em guerra contra a alteração à Lei das Armas, o eurodeputado do CDS/PP Nuno Melo considera que estão em causa "graves restrições" à liberdade individual e ao direito de propriedade, e que a criminalidade violenta e o terrorismo não se combatem assim.

"O que se tenta com esta alteração à lei é antigo e é limitar o mais possível o porte de arma. A questão é: um cidadão que não pertença às forças de segurança pode ou não ter armas? Eu acho que sim."

Nuno Melo, que parece estar a fazer deste tema um dos motes da sua pré-campanha para as europeias - circula nas redes sociais um convite seu, com o grafismo dos cartazes de candidato, para um debate sobre "A caça e a Lei das Armas" na próxima sexta-feira, em Leiria -- explica ao DN a sua oposição às alterações à Lei das Armas anunciadas pelo governo como transposição de uma nova diretiva europeia. Diretiva que já tinha merecido a Melo contestação, levando a que o lobby das armas o tivesse elogiado como "a força boa" em mails para os eurodeputados aquando da votação.

"Quer a diretiva quer a proposta de lei do governo destinam-se a regular atividade legal com armas, e quem comete atentados não usa armas legais. O que se deve fazer é atacar o mercado ilegal. Devia haver rusgas nos locais onde há armas."

"A diretiva surgiu como consequência dos atentados em Paris. Mas quer a diretiva quer a proposta de lei do governo destinam-se a regular atividade legal com armas, e quem comete atentados não usa armas legais", diz o eurodeputado. "O que se deve fazer é atacar o mercado ilegal. Devia haver rusgas nos locais onde há armas." Questionado sobre quais os locais a que se refere, o eurodeputado não esclarece. Mas pergunta: "Acha que as polícias não sabem onde há armas e onde se vendem?"

Não está, explica, a afirmar que as polícias não querem agir contra o tráfico de armas: "Não têm meios. As polícias têm miseráveis condições para trabalhar. São mal pagas, são profissão de risco e quanto atuam são incompreendidas."

Na mente do centrista não estaria pois o caso que em 2006 abalou a PSP, com vários agentes e funcionários da corporação, incluindo o então chefe da divisão de armas e explosivos, Celestino Soares, a serem acusados e depois condenados de corrupção e de envolvimento numa rede de venda ilegal de armas. Um dos agentes, proprietário de um armeiro, foi condenado a prisão efetiva.

"É demagogia falar de direitos fundamentais no uso de armas"

A existência em Portugal de 1,5 milhões de armas em mãos de particulares é um dos argumentos apresentados pelo governo para restringir o tipo e quantidade de armas que cada pessoa pode ter. O número foi adiantado em dezembro, no parlamento, pelo ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, defendendo a necessidade de ter em conta "fenómenos recentes verificados infelizmente na Europa" e de não se dever "acordar depois de os problemas acontecerem". Cabrita referia os ataques terroristas de 2015 em Paris, que terão sido determinantes para a génese da diretiva europeia de 2017. E considerou "demagogia pura falar de direitos fundamentais a propósito do uso de arma".

Uma referência clara à argumentação usada pelo lobby das armas nos EUA, e ao facto de a respetiva Constituição referir o direito ao porte de arma, mas também à retórica de Nuno Melo, que invoca a liberdade individual e o direito de propriedade para combater a proposta do governo. Para o eurodeputado, a lei portuguesa como está "é das mais equilibradas da Europa", com suficientes restrições, e o governo "está a usar de má fé procedimental ao apresentar nova legislação como transposição da diretiva": "A lei não transpõe nada da diretiva e vai muito para além dela."

"25 armas para quem não sabe nada de caça é uma loucura, claro. Mas um caçador profissional pode perfeitamente ter mais de 25 armas. Acho que não compete ao Estado estabelecer quantas armas são de mais. Qual o critério? O da segurança? Para cometer crimes basta uma arma."

É restritivo, por exemplo, limitar, como faz a proposta, a 25 o número máximo de armas que um caçador pode possuir? "25 armas para quem não sabe nada de caça é uma loucura, claro", diz o eurodeputado, que admite ser caçador mas não revela quantas armas detém. "Mas se eu for um caçador profissional posso perfeitamente ter mais de 25 armas. O que acho que de tem de haver é a garantia de que as armas estão guardadas em condições de segurança, em cofres-fortes, que são transportadas em condições de segurança. Acho que não compete ao Estado estabelecer quantas armas são de mais. Qual o critério? O da segurança? Para cometer crimes basta uma arma."

Considerando que há aspetos da lei atual com os quais não concorda e devem ser alterados - "é o caso de se admitir porte de arma a alguém pelo simples exercício de um cargo, o que não faz sentido, deve haver sempre formação obrigatória para quem queira ter uma arma de defesa e ser passada a licença pela PSP" --, critica o facto de o governo querer acabar com as "licenças de detenção", que têm a ver com a posse de armas que não são usadas. "Ora eu posso deixar a caça e querer ficar com a minha arma, ou pode o meu pai morrer e eu querer ficar com a arma dele. A lei atual diz que a tenho de ter guardada num cofre e não posso ter munições em casa. Acho esse regime bom."

Exclusivos

Premium

Primeiro-secretário da Área Metropolitana de Lisboa

Carlos Humberto: "Era preciso uma medida disruptiva que trouxesse mais gente ao transporte coletivo"

O novo passe Navegante abriu aos cidadãos da Área Metropolitana de Lisboa a porta de todos os transportes públicos, revolucionando o sistema de utilização dos mesmos. A medida é aplaudida por todos, mas os operadores não estavam preparados para a revolução e agudizaram-se problemas antigos: sobrelotação, tempos de espera, supressão de serviços, degradação de equipamentos.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Berlim, junto aos Himalaias

Há 30 anos exatos, Berlim deixou de ser uma ilha. Vou hoje contar uma história pessoal desse tempo muralhado e insular, num dos mais estimulantes períodos da minha vida. A primeira cena decorre em dezembro de 1972, no Sanatório das Penhas da Saúde, já em decadência. Com 15 anos acabados de fazer, integro um grupo de jovens que vão treinar na neve abundante da serra da Estrela o que aprenderam na teoria sobre escalada na neve e no gelo. A narrativa de um alpinista alemão, dos anos 1920 e 1930, sobre a dureza das altas montanhas, que tirou a vida a muitos dos seus companheiros, causou-me uma forte impressão. A segunda cena decorre em abril de 1988, nos primeiros dias da minha estada em Berlim, no árduo processo de elaboração de uma tese de doutoramento sobre Kant. Tenho o acesso às bibliotecas da Universidade Livre e um quarto alugado numa zona central, na Motzstrasse. Uma rua parcialmente poupada pela Segunda Guerra Mundial, e onde foram filmadas em 1931 algumas das cenas do filme Emílio e os Detectives, baseado no livro de Erich Kästner (1899-1974).Quase ao lado da "minha" casa, viveu Rudolf Steiner (1861-1925), fundador da antroposofia. Foi o meu amigo, filósofo e ecologista, Frieder Otto Wolf, quem me recomendou à família que me acolhe. A concentração no estudo obriga a levantar-me cedo e a voltar tarde a casa. Contudo, no primeiro fim de semana almoço com os meus anfitriões. Os dois adolescentes da família, o Boris e o Philipp, perguntam-me sobre Portugal. Falo no mar, nas praias, e nas montanhas. Arrábida, Sintra, Estrela... O Philipp, distraidamente, diz-me que o seu avô também gostava de montanhas. Cinco minutos depois, chego à conclusão de que estou na casa da filha e dos netos de Paul Bauer (1896-1990), o autor dos textos que me impressionaram em 1972. Eles ficam surpreendidos por eu saber da sua existência. E eu admirado por ele ainda se encontrar vivo. Paul Bauer foi, provavelmente, o maior alpinista alemão de todos os tempos, e um dos pioneiros das grandes montanhas dos Himalaias acima dos 8000 metros. Contudo, não teria êxito em nenhuma das duas grandes montanhas a que almejou. As expedições que chefiou, em 1929 e 1931, ao pico de 8568 metros do Kanchenjunga (hoje, na fronteira entre a Índia e o Nepal) terminaram em perdas humanas. Do mesmo modo, o Nanga Parbat, com os seus 8112 m, seria objeto de várias expedições germânicas marcadas pela tragédia. Dez mortos na expedição chefiada por Willy Merkl, em 1934, e 16 mortos numa avalancha, na primeira expedição comandada por Paul Bauer a essa montanha paquistanesa em 1937. A valentia dos alpinistas alemães não poderia substituir a tecnologia de apoio à escalada que só os anos 50 trariam. Bauer simboliza, à sua maneira, esse culto germânico da vontade, que tanto pode ser admirável, como já foi terrível para a Alemanha, a Europa e o mundo. Este meu longo encontro e convívio com a família de Paul Bauer, roça o inverosímil. Mas a realidade gosta de troçar do cálculo das probabilidades.