José Mayer reage às acusações de assédio sexual: "Não misturem ficção com realidade"

Ator José Mayer responde a acusação de assédio sexual a figurinista da Globo: "Não misturem ficção com realidade"

José Mayer já respondeu à acusação de assédio sexual feita pela figurinista Susllem Tonani, também ela funcionária da TV Globo. Pede o ator para que "não se confunda ficção com realidade" ao mesmo tempo que sublinha "o respeito e confiança" ganhos em 49 anos de carreira.

"Respeito muito as mulheres, os meus companheiros e o meu ambiente de trabalho, essas palavras e atitudes que me atribuíram são próprias do machismo e da misoginia do personagem Tião Bezerra [que o ator interpreta na telenovela "A Lei do Amor", em exibição no horário nobre da TV Globo], não são minhas, não se misture ficção com realidade".

"Nesses 49 anos trabalhando como ator sempre busquei e encontrei respeito e confiança em todos os que trabalham comigo", acrescentou o ator de 67 anos.

José Mayer foi acusado de assédio sexual num texto escrito por Susllem Tonani, de 28 anos, no blog "Agora é que são elas", que está associado ao Folha de São Paulo. "A primeira brincadeira de José Mayer comigo foi há oito meses. Ele era protagonista da primeira novela em que eu trabalhei como figurinista assistente e esta história de violência começou com um simples 'como você é bonita'", escreve na carta divulgada.

A carta foi entretanto apagada, para que possa dar o direito ao contraditório. Só então aparecerá outra vez na publicação.

Susllem, também conhecida por Su, conta ainda como era diariamente o ator se dirigia a ela com "você se veste bem", "fico olhando sua bundinha e imaginando seu peitinho", ou "você nunca vai dar para mim?". São algumas das frases que a figurinista atribui a Mayer.

Apesar de ter confrontado o ator, as abordagens não pararam e, em fevereiro de 2017, o ator colocou mesmo a mão na zona genital de Su. "Sim, na minha vagina, e disse que esse era um antigo desejo", acrescenta.

Nessa situação, Su não estava sozinha, mas refere que as suas colegas até se riram da situação. A partir daí, ia para o trabalho desejando não encontrar José Mayer.

"Até que nos vimos, ele e eu, num set de filmagem com 30 pessoas. Neste momento, sem medo, ameaçou tocar-me novamente se eu continuasse a não falar com ele. E eu não silenciei. 'Vaca', gritou ele. Para quem quisesse ouvir. Não teve medo. E porque teria, mesmo?", escreve.

Acrescenta que foi aos recursos humanos da empresa onde trabalho, e a várias outros departamentos, contando a todos sobre o "assédio moral e sexual".

Na carta, não é referido se Su foi às autoridades apresentar queixa. Diz-se "envergonhada" por não ter falado mais cedo e pensa que o ator não vai ser castigado por ser "prata da casa".

A Globo emitiu entretanto um comunicado.

"A Globo repudia toda e qualquer forma de desrespeito, violência ou preconceito. E zela para que as relações entre funcionários e colaboradores da emissora se deem em um ambiente de harmonia e colaboração, de acordo com o Código de Ética e Conduta do Grupo Globo. Todas as questões são apuradas com rigor, ouvidos todos os envolvidos, em busca da verdade. Desta forma e tendo o respeito como um valor inegociável da empresa, esse assunto foi apurado e as medidas necessárias estão sendo tomadas. A Globo não comenta assuntos internos", escreveu a televisão brasileira.

*Em São Paulo

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG