Sagres regressou a Lisboa. Circum-navegação continuará noutro momento

O ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, garantiu que a viagem de circum-navegação do navio-escola Sagres, que regressou mais cedo a Lisboa devido à covid-19, "continuará em outros moldes e em outro momento".

A bordo do Sagres, que atracou esta manhã da Base Naval de Lisboa (Almada), um mês e meio depois de ter sido suspensa a viagem de celebração dos 500 anos da circum-navegação de Fernão Magalhães devido à pandemia de covid-19, ministro da Defesa João Gomes Cravinho considerou que este navio "é um emblema de Portugal e esse emblema continuará a fazer parte dos nossos planos para o futuro".

"Aquilo que podemos dizer neste momento é que a viagem continuará em outros moldes, em outro momento, mais do que isso neste momento não saberemos adiantar", assegurou.

Sublinhando que o futuro, "neste momento, é muito incerto", o ministro da Defesa Nacional explicou que "planos para um futuro mais longínquo precisarão de ser apurados" quando houver mais informação.

Questionado sobre a possibilidade de agosto ser a data limite para o Sagres voltar a zarpar para poder participar nas nas comemorações da Descoberta do Estreito de Magalhães, em Punta Arenas, no Chile, João Gomes Cravinho foi claro a afirmar que não há "nenhuma data limite".

"A viagem de Fernão de Magalhães levou três anos. 1519 até 1522 e, portanto, seria bom se pudermos, nesse quadro, completar a viagem, mas temos de ver agora como é que as circunstâncias no plano nacional e no plano internacional evoluem e faremos os nossos planos à medida que foram possíveis para que se possa então essa viagem", explicou.

O navio saiu da capital portuguesa em 5 de janeiro para uma viagem à volta do mundo que teria duração de pouco mais de um ano.

Previa-se que o navio passasse por 22 portos de 19 países diferentes e que seria a Casa de Portugal durante os Jogos Olímpicos de Tóquio, competição que foi adiada para 2021.

O Ministério da Defesa Nacional justificou então que a decisão de interrupção da viagem "foi tomada na sequência das medidas de segurança que os diferentes países estão a adotar para protegerem os seus portos, Portugal incluído, limitando a atracação e desembarque de tripulações e passageiros de navios", o que inviabiliza "o pleno cumprimento da missão".

O Governo considerou ainda que "a continuidade desta expedição poderia potenciar um maior risco de contágio entre os 142 elementos da guarnição, que se encontram bem de saúde".

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG