Morreu Carlos Barroso, sobrinho de Mário Soares e secretário-geral da Fundação do ex-presidente

Notícia da morte foi divulgada pela Fundação e partilhada nas redes sociais por João Soares, lembrando que Carlos Barroso, seu primo, foi sempre um colaborador muito próximo de Mário Soares.

Morreu o advogado Carlos Barroso, que foi um colaborador próximo de Mário Soares, seu tio, e que desde 1996 era o secretário-geral da fundação com o nome do antigo presidente da República. Era considerado o braço-direito de Soares e ao longo de mais de 20 anos era o homem que fazia a fundação funcionar. A notícia foi avançada pela fundação no seu site oficial. Foi vítima de doença prolongada.

"É com profundo pesar que o Conselho de Administração da Fundação Mário Soares, ao qual se associam os seus colaboradores, comunica o falecimento do Doutor Carlos Barroso, Secretário-Geral da Fundação. A excecionalidade da competência profissional manifestada ao longo de 24 anos de dedicação à Fundação, em particular o seu rigor, a ética, o sentido de compromisso institucional e a qualidade humana, merece ser justamente reconhecida", lê-se na mensagem publicada no site.

Na sua página de Facebook, João Soares também deixou uma homenagem ao amigo e primo. "Um enternecido ultimo abraço ao Carlos, amigo de toda a vida. Companheiro dos bons e dos maus momentos. Solidário. Terno sobrinho da minha mãe, o que sempre me tocou muito. Colaborador muito próximo, até ao fim, de meu pai. A quem foi de uma dedicação e lealdade intocada. Às vezes em momentos difíceis cuja memória me emociona", escreveu João Soares, que deixou mensagens para os familiares mais próximo de Carlos Barroso.

Carlos Barroso era primo do ex-chefe da Casa Civil do então presidente Mário Soares, Alfredo Barroso, do cineasta Mário Barroso e do jornalista José Manuel Barroso.

Formado em Direito, exerceu a advocacia durante mais de 30 anos, depois de obter a licenciatura na Universidade Clássica de Lisboa.

Segundo a Fundação Mário Soares, "o velório decorre esta quinta-feira, dia 21 maio, a partir das 18h00, na igreja de Santa Joana Princesa. A cremação realizar-se-á às 12h00 de sexta-feira, no cemitério do Alto de São João. Atendendo ao atual contexto de pandemia Covid-19, o acompanhamento das cerimónias está reservado aos familiares mais próximos".

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG