Um National Geographic à portuguesa num campo de férias para miúdos

Observar aves, ver falcões a caçar, saber mais sobre a vida de raposas, coelhos e lebres, aprender a reconhecer a voz e as pegadas de várias espécies. É uma pequena parte da experiência que 30 crianças tivera no primeiro campo de férias sobre Caça, Gestão Cinegética e Biodiversidade em Portugal.

O que podem os miúdos aprender sobre a vida animal num campo de férias sobre caça? Muito. Armados de binóculos, blocos de notas e muita vontade de conhecer a verdadeira vida no campo, foi isso que fizeram 30 crianças com idades entre os 6 e os 14 anos que passaram a última semana na Herdade da Barroca D'Alva, em Alcochete. O primeiro campo de férias sobre Caça, Gestão Cinegética e Biodiversidade promovido em Portugal, organizado pela ANPC - Associação Nacional de Proprietários Rurais, Gestão Cinegética e Biodiversidade, chegou ao fim nesta sexta-feira e deixou um monte de crianças felizes e conscientes das especificidades da vida e do ecossistema dos mais diferentes animais.

"Os sorrisos de todos os participantes falavam por si, ao mesmo tempo que se desdobravam a contar tudo o que aprenderam nos últimos dias: tudo sobre as espécies cinegéticas nacionais, assim como as espécies protegidas, a importância da preservação da natureza e biodiversidade, o papel da caça como ferramenta de controlo de populações e epidemias, como é feito o treino de cães de caça, e um sem número de outras informações e atividades relacionadas com campo e a realidade rural, que muitas destas crianças nunca tinham tido oportunidade de experimentar", resume António Paula Soares, que lidera a ANPC e que faz uma avaliação muito positiva da iniciativa.

O entusiasmo da pequenada é fácil de entender. Pela primeira vez, os miúdos tiveram, por exemplo, a oportunidade de fazer um passeio noturno pela paisagem única de Barroca d'Alva, de lanterna na mão, em busca de espécies sobre as quais haviam antes aprendido. Incluindo raposas, lebres e coelhos, e todo o tipo de aves.

Outro momento especial aconteceu no último dia do acampamento, quando os miúdos tiveram oportunidade de participar em algo único: um atelier de iniciação à falcoaria que lhes permitiu aprender, observar e até pegar em falcões e açores, vendo-os depois em ação, numa demonstração de como é feita a caça ao faisão e à perdiz com falcões.

Durante a semana, houve ajnda tempo para aulas práticas de observação de fauna, ateliers de gestão cinegética, tiro com arco, aulas de treino de cães para caça, sessões com veterinários do INIAV - que ensinaram sobre as espécies cinegéticas, em particular o coelho-bravo - e com o conceituado especialista de observação de aves António Cláudio Heitor, para saberem reconhecer sons e pegadas de aves de caça e aves protegidas.

Tendo o programa sido coordenado pela ANPC, esta primeira edição teve o apoio oficial da CAP, do ICNF, do INIAV, da Associação Portuguesa de Falcoaria, do Treinador de cães Vítor Silva - Canil da Maralha, do observador de aves António Cláudio Heitor e da equipa de instrutores de tiro com arco da Proflecha. O objetivo foi construir um programa aberto e diversificado, de forma a dar aos mais pequenos um quadro da realidade da vida no campo, numa altura em que há "uma tendência de afastamento e desconhecimento da população em geral e das crianças em particular da realidade do mundo rural, do campo e do contacto com a natureza e de todas as atividades relacionadas com a mesma", explicou ainda António Paula Soares.

A experiência foi tão bem sucedida que já ficou a promessa de repetir a iniciativa. Para o ano, haverá novo campo de férias, promete a ANPC - e dado o êxito da estreia, provavelmente será preciso mais do que uma semana...

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.