Tribunal de Albufeira começa a julgar jovens que agrediram militares da GNR

Cinco jovens franceses estão acusados de agressões e insultos a militares da Guarda Nacional Republicana (GNR), no verão de 2015, no momento em que eram abordados pelos guardas.

O julgamento tem início marcado para as 14.00, no Juízo Local Criminal de Albufeira, no distrito de Faro.

Os arguidos vão responder por vários crimes de resistência e coação sobre funcionário, por ofensa à integridade física qualificada e por injúria agravada.

O Ministério Público (MP) pediu que os arguidos, que estão em liberdade, sejam julgados por um tribunal singular (um juiz), incorrendo, no máximo, numa pena até cinco anos.

Segundo o despacho de acusação do MP, a que a agência Lusa teve acesso, os arguidos, com idades entre os 22 e os 23 anos, estavam junto à rotunda das três palmeiras, na madrugada de 4 de agosto de 2015, "inseridos num grupo que causava distúrbios na via pública".

Os jovens foram abordados pelos guardas e, quando davam início à identificação dos suspeitos, um deles ofendeu verbalmente um dos militares, enquanto outro dos arguidos "agarrava o braço" de outro suspeito, "afastando-se e ignorando as indicações dadas pelos militares".

A partir desse momento, a acusação descreve uma série de agressões levadas a cabo pelos arguidos contra os cinco guardas, que incluem empurrões, vários murros e pontapés em diversas partes do corpo, nomeadamente na face.

Três dos militares da GNR tiveram de ser assistidos no Centro de Saúde de Albufeira.

Em resultado das lesões, um dos guardas esteve de baixa médica entre 6 de agosto e 3 de outubro de 2015 e outro entre 4 de agosto e 20 de abril de 2016.

O advogado de um dos militares da GNR apresentou um pedido de indemnização civil contra um dos arguidos no valor de quase 9200 euros.

O Ministério Público pede também uma indemnização de 21 403 euros, relativa a despesas hospitalares e medicamentos, assim como ao período em que os militares estiveram de baixa médica e impedidos de trabalhar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.