Três mulheres violadas em Lisboa e Beja. Uma foi morta por resistir

PJ anunciou a detenção de três homens suspeitos da prática de crimes de violação, mas também de homicídio e roubo. Crimes aconteceram na zona de Lisboa e Beja

Uma mulher de 21 anos foi morta por um homem de 27, depois de resistir à violação. Noutro caso, uma jovem de 19 anos foi abordada numa estação da linha de Sintra e violada depois num motel. Por fim, uma outra jovem de 18 anos tem vindo a ser violada de forma reiterada pelo seu progenitor, na zona de Beja. Os três homens acabaram detidos por estes crimes, anunciou esta quarta-feira a Polícia Judiciária.

No primeiro caso, a Diretoria de Lisboa e Vale do Tejo da PJ procedeu à detenção de um homem com 27 anos de idade, "por fortes indícios da prática de crimes de homicídio, violação e furto qualificado", anunciou a força policial em comunicado. O caso reporta-se à manhã do dia 8 de novembro, quando uma mulher de 21 anos, que vivia num quarto arrendado numa residência, foi surpreendida no seu quarto "pelo presumível autor", que também vivia "num outro compartimento da mesma habitação".

Segundo a informação da PJ, "o suspeito forçou a vítima a manter relação sexual de cópula, vindo, na sequência da resistência da mesma, a retirar-lhe a vida, mediante uso de força física". Após a morte da vítima, o suspeito ainda se apoderou de alguns bens da vítima, com o propósito de obter dinheiro com a sua venda.

De acordo com o comunicado, a PJ recolheu "elementos probatórios inequívocos da prática do crime" e conseguiu localizar, identificar e deter o suspeito, que já foi presente a primeiro interrogatório judicial e ficou em prisão preventiva.

Rapto, violação e roubo

Já na comarca de Sintra, no dia 6, ao início da tarde, uma mulher de 19 anos foi abordada no parque de estacionamento junto a uma estação de comboios da linha de Sintra por um indivíduo de 36 anos, que a ameaçou com arma de fogo e a obrigou a entrar na sua viatura. Primeiro começou por lhe roubar o cartão multibanco, obrigou-a a revelar o código e levantou a totalidade do dinheiro existente na conta.

Mantendo a ameaça da arma de fogo e com a vítima de olhos vendados, no interior da viatura, conduziu-a até um motel onde consumou a violação, "num contexto de elevada intimidação e violência", apontou a PJ. A mulher acabou por ser abandonada, já ao final da tarde, junto a outra estação ferroviária também da linha de Sintra.

A PJ, através da Diretoria de Lisboa e Vale do Tejo, procedeu à identificação, localização e detenção do homem, por fortes indícios da prática de crimes de rapto, violação e roubo. O presumível autor tem antecedentes pela prática de crimes desta natureza e encontra-se em prisão preventiva, após interrogatório judicial.

Pai suspeito de violar a filha

Por fim, a Diretoria do Sul da mesma força policial anunciou a detenção de um homem pela prática de dois crimes de violação, ocorridos na zona de Beja.

Segundo o comunicado da PJ, na sequência de comunicação telefónica efetuada sobre factos suscetíveis de configurar crime de violação, foram encetadas diligências de investigação, as quais permitiram apurar que a vítima, uma mulher de 18 anos de idade, tem vindo a ser violada de forma reiterada pelo seu progenitor.

Arguido e vítima, ambos estrangeiros, coabitam a mesma residência e foi nesse contexto que ocorreram os crimes. A recolha de relevantes elementos probatórios culminou na detenção do presumível autor, a 19 de novembro do corrente.

O suspeito, de 42 anos de idade, irá ser presente a primeiro interrogatório judicial, para aplicação das medidas de coação tidas por adequadas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.