Se não forem tomadas medidas, gás natural pode falhar em 2024

A Direção Geral de Energia e Geologia avisa que pode haver problema no abastecimento de gás natural a partir de 2024 se o terminal de Sines falhar, isto se não for reforçada a capacidade do sistema. Recomenda, também, uma maior diversificação nas fontes de abastecimento.

A Direção Geral de Energia e Geologia (DGEG) reviu o relatório de Monitorização da Segurança de Abastecimento do Sistema Nacional de Gás Natural até 2030. Traçou três cenários em relação ao armazenamento e abastecimento de gás natural, tendo concluído que pode haver problemas para esta fonte de energia chegar a casa de todos os consumidores se não forem tomadas medidas.

Uma delas está prevista e é a 3.ª interligação entre Portugal e Espanha, que vai unir Celorico da Beira a Zamora através de um gasoduto DN700 (28") com 162 km. O projeto desenvolve-se em duas etapas e está previsto ser concluído até 2030.

A DGEG explica que é necessário cumprir os prazos de construção daquele gasoduto, cuja 1ª fase está apontada para 2021, por ser essencial no caso de existir um pico de consumo e se falhar o Terminal de Gás Natural Liquefeito de Sines, a maior infraestrutura de oferta de gás natural.

"Os défices de capacidade no período 2018-2023 não são suficientes para se considerar que haja riscos para a segurança do abastecimento do Sistema Nacional de Gás Natural (SNGN). A partir de 2024, verifica-se que o défice de capacidade atinge cerca de 10% da ponta extrema de consumo e cerca de 20% em 2030, pelo que será necessário equacionar medidas que permitam mitigar esta situação e reduzir o risco para a segurança do abastecimento", refere o relatório.

70 % das importações da Argélia e da Nigéria

Uma segunda questão tem a ver com a diversificação de abastecimento, reconhecendo a entidade os esforços dos governantes em alargar o leque dos países fornecedores. Em 2011, a Argélia e a Nigéria representavam 90% das importações de gás natural, percentagem que desceu para 70 em 2015. Portugal recorreu, entretanto, ao Qatar, Noruega e Trinidad e Tobago.

No entanto, sublinha o relatório, "este trabalho deverá continuar, tendo em conta que a Nigéria e a Argélia são países com frequentes focos de instabilidade, nomeadamente ao nível das infraestruturas energéticas como pipelines e complexos de gás natural, com potenciais riscos para o abastecimento de gás a Portugal".

Consumo de gás natural aumentou 18 %

Em 2015 registou-se um aumento do consumo de gás natural, mais 18 % do quem em 2014, invertendo-se a tendência de descida que se registava desde 20111, a ano do pico do consumo.

Face a este crescimento, os cenários traçados até 2030, "apontam para um crescimento médio anual que varia entre 2,1% (a média) e 2,6% (o máximo)".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.