Prisões recebem aulas sobre migrações e discriminação racial

Os guardas prisionais vão ter formação em migrações, bem como os técnicos que trabalhem nas áreas da reeducação e da reinserção social. As ações são promovidas pelo Alto Comissariado para as Migrações no âmbito do protocolo que será assinado esta quinta-feira com a Direção-Geral dos Serviços Prisionais

O Alto Comissariado para as Migrações (ACM) e a Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP) assinam esta quinta-feira, às 10:00, um protocolo de colaboração para reforçar os conhecimentos e as competências de quem trabalha com reclusos em matérias como as migrações, a interculturalidade, a discriminação racial e as etnias.

A iniciativa visa formar os recursos humanos da DGRSP, nomeadamente os técnicos ligados às áreas da reeducação e da reinserção social, assim como os guardas prisionais.

"Convivemos com 200 nacionalidades em Portugal e pretendemos capacitar os profissionais para esta realidade", secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade

"O que este protocolo prevê é formalizar a formação dos profissionais que trabalham nas prisões e nas áreas da reeducação e da reinserção social sobre as questões jurídicas ligadas às migrações, por um lado, e sobre os benefícios de relações positivas e não estereotipadas, por outro. Convivemos com 200 nacionalidades em Portugal e pretendemos capacitar os profissionais para esta realidade, para lidar com as particularidades de alguns grupos, como as questões religiosas, culturais, etc.", explicou ao DN Rosa Monteiro, secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade. É uma das governantes presentes na assinatura do documento, ao lado da secretária de Estado Adjunta e da Justiça, Helena Mesquita Ribeiro.

Em junho, houve um projeto-piloto em que técnicos do ACM realizaram ações de formação, nomeadamente sobre a leis contra a discriminação e da imigração. Formaram 57 pessoas, distribuídas por Lisboa, Coimbra e Porto.

Estão previstas 14 ações de formação e que vão envolver 300 pessoas

O objetivo é estender gradualmente a iniciativa a todo o país, estando previstas 14 ações ainda este ano e que deverão envolver 300 pessoas.

Rosa Monteiro sublinha que, com este protocolo, pretende que os profissionais das prisões ganhem competências para lidar com a heterogeneidade da população prisional. "Trabalharmos no sentido mais inclusivo e igualitário, temos uma relação estreita com o setor da justiça e sentimos a necessidade de trabalhar para a inclusão e para a interculturalidade. Temos as ferramentes que podem ajudar estes profissionais a melhor compreender as várias realidades com que se cruzam no sistema prisional".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.