Presidente de Pedrógão admite que não consultou processos das casas recuperadas

Apesar de insistir que são "todas de primeira habitação", Valdemar Alves não pode garanti-lo. Afinal, o autarca admite não consultado qualquer processo

O presidente da Câmara de Pedrógão Grande admitiu na noite passada que não consultou os processos da reconstrução de casas suspeitos de irregularidade, denunciados recentemente por um reportagem da TVI. "Eu não consultei processos nenhuns. Confio nas pessoas que os elaboraram". Valdemar Alves falava aos jornalistas no final da sessão pública de esclarecimento convocada pela Assembleia Municipal, mas que acabou por não esclarecer grande coisa.

O autarca insistiu várias vezes na ideia de que "não há nenhuma irregularidade" e que todas as casas reconstruídas são de primeira habitação. Mas a verdade é que não chegou a consultar os processos, nem antes nem depois das denúncias. "Confio nos funcionários e nas pessoas que assinaram as suas declarações de honra", disse, desvalorizando a proposta de deputado municipal (Rui Capitão, PSD) que apontava como solução a suspensão das construções em curso, suspeitas de irregularidade.

"Não ouvi essa proposta e ele não tem competência para isso. Os processos estão no Ministério Público e temos que respeitar isso, senão qualquer dia temos julgamentos em praça pública", concluiu o presidente da Câmara, ao cabo de quase quatro horas de discussão, numa sessão que tinha como ponto único a "análise da execução da aplicação de fundos doados às diversas instituições para recuperação de património habitacional na sequência dos fogos de 2017". Do princípio ao fim, o presidente Valdemar e a vice-presidente Margarida Guedes empenharam-se na defesa da honra.

"Não houve administração nenhuma de dinheiros por parte da câmara e não foi recuperada nenhuma casa que não tenha ardido", repetiu várias vezes o autarca durante a sessão, que decorreu na Casa da Cultura, um auditório que foi pequeno demais para acolher tantos populares, mesmo numa sessão marcada para as 17 horas.

E afinal, a manifestação agendada para as 16h30- convocada via Facebook, a pedir a demissão do executivo municipal - acabou por não acontecer. Era bom pronúncio para Valdemar Alves, o autarca que trocou a camisola do PSD pela do PS nas últimas eleições autárquicas, já depois do fogo de 17 de junho, que agora faz arder de novo toda a discussão em torno da reconstrução das casas. Foi a ele que o presidente da Assembleia deu a palavra, logo ao início.

E o presidente desse órgão fiscalizador do município é nada menos que António Tomás Correia, líder da Associação Mutualista do Montepio. Ao longo daquela longa sessão, assumiu também ele a defesa dos autarcas em causa, numa assembleia em que o regimento parecia apenas aplicar-se ao público, o único a quem foi contabilizado o tempo utilizado para falar. De resto cada um dos membros falou sem restrições, a maioria dizendo-se envergonhado pela forma como Pedrógão anda nas bocas do mundo.

A vergonha, segundo os carrosséis

Luís Paulo Fernandes, eleito como independente nas listas do PSD, é um dos subscritores da petição que corre na net a exigir o apuramento das alegadas fraudes. "Eu neste momento tenho vergonha de ser de Pedrógão. Todos os pedroguenses vão pagar esta fatura para resto da vida. Ou isto fica transparente como a água e o azeite, ou mais vale eu mudar a sede social da minha empresa", disse, ele que é proprietário de uma empresa de carrosséis, entre as várias que existem no pinhal interior.

"Passei e 12 concelhos nas últimas semanas a licenciar os carrosséis e tive vergonha de cada vez que dizia ser de Pedrógão Grande", sublinhou. Seguiram-se várias intervenções do mesmo teor, sempre alinhando na ideia de como seria importante esclarecer o país sobre os fundos aplicados na reconstrução das casas.

O presidente da Câmara chamou os técnios da autarquia para essa função, replicando tudo o que está descriminado no site do fundo REVITA. Mas por explicar ficaram várias questões. Por exemplo, como é que estão reconstruídas casas de segunda habitação, em Vila Facaia, quando ainda há "cinco famílias que estão a viver em casa de familiares", como apontou o presidente da junta, José Henriques.

Já depois de terminada a sessão, o presidente da Câmara voltaria a ser confrontado com a pergunta, respondendo então que "isso é que o dizem as pessoas". E garante que há "um relatório do professor Xavier Viegas que o mostra, e vai ao encontro da verdade. As que se fizeram são habitações de primeira necessidade", insiste. Um jornalista da SIC lembra-lhe que na reportagem da TVI se mostram casas em que não morava ninguém e foram reconstruídas. "Tem que me dizer quem é para consultar esse processo", retroca Valdemar. Mas não viu a reportagem? Não conhece estes casos?- insiste o repórter. "A entrevista da TVI não me merece respeito nenhum. São inverdades. Nada daquilo corresponde à verdade", conclui o autarca, acusado por alguns deputados municipais de não se ter preparado convenientemente par a entrevista.

Confrontado pelo DN com os casos, e questionado se não seria mais claro explicar cada um deles na reunião extraordinária da AM, Valdemar escusou-se à resposta. Nas últimas semanas o autarca contratou uma empresa de comunicação (Bueno Press) para o assessorar neste processo.

Ainda assim , a comunicação faz-se com dificuldade. Num concelho claramente envelhecido, na sala da Casa da Cultura dois jovens destacaram-se naquela meia dúzia de intervenções do público: Andreia Dias, que pediu aos autarcas transparência, "em vez de estarem preocupados se os deputados da bancada do PS têm água" e Vasco Esquina, de apenas 18 anos, que fez a denúncia: "95% dos que viram reconstruídas as casas de segunda habitação têm cunhas na Câmara". Para memória futura fica também a intervenção de José Dinis Marques, um dos imensos residentes em Lisboa que regressa amiúde à terra: "foi um erro terem ido a eleições em outubro, depois da tragédia. Ponderaram já alguma vez apresentar a vossa demissão?"

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.