Portuguesa morta na Alemanha. Ex-namorado "perseguia-a constantemente"

Inês Terrahe foi degolada, este domingo à noite, em Frankfurt, onde vivia. A médica de 32 anos já tinha feito várias queixas à polícia e havia uma ordem de interdição contra Stefan Borger, de 35 anos, o único suspeito do crime

Inês Terrahe tinha 32 anos, era médica e artista plástica. Foi assassinada, este domingo à noite, pelo ex-namorado, na cidade alemã de Frankfurt, onde vivia. O homicida "perseguia-a constantemente", nunca aceitara o fim do namoro, contam familiares e amigos. Desde setembro, quando Inês decidiu terminar a relação, que o alemão Stefan Borger, de 35 anos, lhe fazia esperas "em casa e no trabalho", conta o jornal alemão Bild.

Ao DN, uma das melhores amigas de Inês, Lisa Thorfinn, conta que a vítima já tinha feito várias queixas à polícia alemã e existia até uma ordem de interdição: o ex-namorado não se poderia aproximar da médica portuguesa. As medidas de proteção não chegaram e Inês Terrahe foi degolada à porta de sua casa. Ainda gritou, contou um vizinho ao jornal alemão, mas quando este chegou junto ao corpo de Inês, já não havia nada a fazer. O óbito foi declarado no local.

Lisa, que foi colega de faculdade de Inês Terrahe na República Checa - ambas estudaram Medicina na Charles University, em Pilsen -, confessou estar "em choque". "Estamos destroçados. Não há palavras para esta brutalidade e este grau de violência", disse ao DN.

"Ela tinha medo, mas nunca imaginou que ele lhe fizesse mal desta maneira"

As duas amigas viveram juntas seis anos e Lisa sabia que Inês tinha medo do ex-namorado - a relação durara um ano. "Ela tinha receio, mas nunca imaginou que isto acabasse assim. Que ele lhe fizesse mal desta maneira. A Inês via sempre o bom das pessoas", desabafa a amiga.

Nascida na Holanda mas criada em Portugal, Inês Terrahe estava na Alemanha desde o início de 2017 a tirar uma especialização em Dermatologia. Em Portugal, vivia com a família na Amadora e chegou a trabalhar em alguns hospitais da região de Lisboa. Com a mãe, Ana Barata Feio, criou a marca de sapatos vegan "Ugly Cockroach".

Os pais de Inês viajaram esta quarta-feira para Frankfurt, onde estão desde manhã a tratar dos procedimentos para trazer o corpo da jovem para Portugal.

Stefan Borger, alemão, de 35 anos, e o único suspeito do crime, foi detido no mesmo dia, no sul de Hesse, e apresentado a tribunal na segunda-feira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.