Triatleta desaparecido encontrado morto com sinais de violência

Luís Miguel Grilo estava desaparecido desde 16 de julho. Anteontem, a polícia encontrou o corpo de um homem a 134 quilómetros do local de onde vivia - tinha sinais de homicídio. Identidade foi confirmada

Um corpo de um homem foi encontrado na quinta-feira, na estrada municipal 1070, perto de Alcórrego, em Avis, Portalegre, e, segundo o Jornal de Notícias, existiam suspeitas de que se trata de Luís Miguel Grilo, triatleta amador e engenheiro informático, de 50 anos, desaparecido desde 16 de julho. Já este domingo, o DN conseguiu confirmar que era mesmo Luís Miguel Grilo.

O triatleta residia em Cachoeiras, Vila Franca de Xira, a 134 quilómetros do local onde foi encontrado o corpo. Agora, adianta o JN, a Polícia Judiciária aguarda os resultados da autópsia, realizada no Instituto de Medicina Legal de Portalegre.

O cadáver encontrava-se em avançado estado de decomposição, sem roupa e com um saco na cabeça, existindo fortes suspeitas de homicídio. Segundo o JN, o crime terá acontecido num local diferente daquele onde foi encontrado o corpo, tendo depois sido deslocado.

Quem deu o alerta foi um popular, que fazia uma caminhada naquele local e sentiu o cheiro do cadáver, o que o levou a chamar as autoridades.

Luís Miguel Grilo desapareceu no dia 16 de julho, depois de ter saído de casa por volta das 16.30 informando a mulher de que iria fazer um treino. Dois dias depois, as autoridades encontraram o telemóvel do triatleta, a seis quilómetros de casa. Embora estivesse desligado, foi possível reconstituir os passos que tinha dado através do GPS.

Ao fim de alguns dias de buscas, a GNR encerrou o caso, que passou para a Polícia Judiciária, por existirem suspeitas de crime.

Notícia atualizada às 15.30 para incluir confirmação da identidade do corpo encontrado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.