Alerta: Pode haver "chuva de lama" em Portugal

Agência Portuguesa do Ambiente diz que massa de ar do Norte de África, com níveis elevados de partículas inaláveis, pode causar "chuva de lama" este sábado, sobretudo na zona sul do país.

Para um sábado em que já se prevê chuva, a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) alerta que pode ocorrer o fenómeno de 'chuva de lama', resultante de uma massa de ar do Norte de África que se desloca para o território português transportando partículas.

"O território de Portugal continental encontra-se sob a influência de uma massa de ar proveniente do norte de África, com maior expressão entre as regiões do Algarve e Lisboa, tendo-se registado no dia de ontem, 15 de novembro, níveis elevados de partículas inaláveis. Para os dias 16 e 17 de novembro, prevê-se a continuação deste evento com progressão a todo o território continental antecipando-se uma situação de fraca qualidade do ar que em caso de ocorrência de precipitação poderá dar origem às denominadas "chuvas de lama", lê no site da APA.

De acordo com o aviso, "este poluente tem efeitos na saúde humana, principalmente na população mais sensível, crianças e idosos, cujos cuidados de saúde devem ser redobrados durante a ocorrência destas situações, devendo ser seguidas as recomendações específicas da Direção Geral de Saúde".

As previsões do Instituto Português do Mar e da Atmosfera para sábado indicam "períodos de chuva ou aguaceiros nas regiões Centro e Sul, em especial no litoral e a partir da tarde".

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.