PJ captura gangue de assaltantes comandado por mulher de 20 anos

O grupo de seis assaltantes detido esta quarta-feira pela PJ é liderado por uma jovem, com cerca de 20 anos. Os seis operacionais têm relações familiares entre si - marido e mulher, irmãos e primos - e são suspeitos de roubos à mão armada cometidos desde 2018

A Polícia Judiciária (PJ) deteve esta quarta-feira de manhã seis pessoas, três homens e três mulheres, suspeitos de vários assaltos à mão armada, numa operação que designou de Good Girls (Boas Meninas), numa referência ao facto de o gangue ser liderado por uma mulher e ter outras duas operacionais ativas.

De acordo com o que DN conseguiu apurar, a líder tem cerca de 20 anos de idade, tem antecedentes criminais, também em roubos violentos, embora nunca tenha sido condenada.

O gangue que lidera é constituído por familiares, entre conjugues, primos e irmãos, sendo a mais velha uma mulher de 49 anos. O mais novo é um rapaz de 17 anos.

A operação, que envolveu mais de 50 inspetores da PJ, começou esta quarta-feira de manhã com buscas nos Bairros da Quinta da Fonte, no concelho de Loures, e da Cruz Vermelha, no concelho de Cascais - foi neste último que foi capturada a jovem comandante.

Segundo o comunicado, entretanto difundido pela PJ, o grupo é suspeito de ter sido responsável por vários assaltos violentos, com uso de armas de fogo, "desde 2018 até à atualidade", tendo como alvo principal farmácias, bombas de gasolina e casas de massagens.

Os detidos têm entre 17 e 49 anos.

Nas buscas, onde foram detidos o gangue, foram apreendidas "centenas de doses de estupefacientes, nomeadamente cocaína e haxixe", adianta ainda a PJ

(em atualização)

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.