PJ recuperou analgésico desaparecido: afinal nunca tinha saído do armazém

As 430 embalagens, com 10 unidades injetáveis cada uma, tinham sido dadas como desaparecidas no passado dia 7, dos armazéns de um distribuidor grossista. Trata-se de um medicamento, classificado como droga, usado em anestesias.

A Polícia Judiciária (PJ) localizou, no próprio armazém onde tinham sido dadas como desaparecidas, as 430 embalagens de Fentanilo Basi, um opioide potente usado em anestesias gerais. Para já, "não há indícios" de que este desaparecimento tivesse sido resultado de "prática criminosa dolosa", mas a "falta de controlo no armazenamento" deste produto pode configurar uma prática negligente - confirmou ao DN fonte desta polícia.

A PJ comunicou a situação ao Infarmed, a autoridade nacional responsável por "regular e supervisionar os setores dos medicamentos de uso humano", que deve apurar também as responsabilidades.

Segundo o comunicado da Judiciária divulgado este sábado, "perante os elementos apurados não se procedeu à constituição de qualquer arguido". No entanto, frisou ao DN o diretor da Unidade Nacional de Combate ao Tráfico de Estupefacientes, Artur Vaz, "a investigação vai prosseguir para total esclarecimento dos factos" - designadamente se houve ou não dolo neste "desaparecimento".

As 430 embalagens, com 10 unidades de solução injetável por ampola cada uma, estavam guardadas no armazém de um distribuidor grossista, no norte do país, e foi também nesse local que a PJ os encontrou. Dados os efeitos potentes do analgésico, da família dos opioides, este está enquadrado na Lei da Droga.

O inquérito-crime conduzido pela PJ pretende "determinar as circunstâncias do desaparecimento do medicamento", que é 50 vezes mais forte do que a heroína, e tem o apoio da Diretoria do Norte.

As embalagens estão apreendidas pela PJ até todos os factos estarem rigorosamente apurados.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.