Quem é o novo diretor da Polícia Judiciária Militar

O ministro da Defesa nomeou hoje o capitão-de-mar-e-guerra Paulo Manuel José Isabel como diretor-geral da Polícia Judiciária Militar, para restabelecer "o normal funcionamento da Polícia Judiciária Militar".

O novo diretor-geral da PJM, Paulo Isabel, ingressou em 1982 na Escola Naval, onde concluiu a licenciatura em Ciências Militares Navais.

Segundo a nota do Ministério da Defesa, nos últimos anos desempenhou diversas funções na Polícia Marítima e, atualmente, coordenava a área de ensino de Comportamento Humano e Administração de Recursos no Instituto Universitário Militar.

Em 2017, desempenhou durante cerca de dez meses as funções de capitão do porto e comandante local da Polícia Marítima de Lisboa e, por inerência, chefe do Departamento Marítimo do Sul e comandante regional da Polícia Marítima do Centro.

O seu breve consulado ficou marcado pela aterragem de uma avioneta na praia de São João, na Costa de Caparica, que terminou com a morte de uma criança e de um adulto.

Na nota de louvor pelos serviços prestados, o chefe do Estado-Maior da Armada destaca "o elevado desempenho apresentado" e o "excecional conjunto de qualidades profissionais" de Paulo Isabel.

Numa nota do Ministério da Defesa, o gabinete de Azeredo Lopes, do qual o diretor da Polícia Judiciária Militar (PJM) depende hierarquicamente, é referido que o ministro tomou a decisão de nomear o capitão-de-mar-e-guerra Paulo Manuel José Isabel como diretor-geral da PJM, mediante proposta do chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas.

Restabelecer o funcionamento da PJM

A nomeação do novo diretor da PJM surge após a detenção do até agora responsável desta polícia, Luís Vieira, no âmbito do caso do desaparecimento de material de guerra dos paióis de Tancos.

"José Azeredo Lopes solicitou ao almirante Silva Ribeiro que, depois de ouvidos os chefes de Estado-Maior dos Ramos, apresentasse uma proposta que restabelecesse o normal funcionamento da Polícia Judiciária Militar", é referido no mesmo comunicado.

No âmbito da investigação da recuperação de armas de Tancos, o Tribunal de Instrução Criminal (TIC) de Lisboa decretou na sexta-feira prisão preventiva para Luís Vieira e para um civil.

Em comunicado, o TIC adiantou que os restantes seis arguidos ficam em liberdade, embora sujeitos a termo de identidade e residência, suspensão do exercício de funções, proibição de contacto com os coarguidos e com quaisquer militares das Forças Armadas, da GNR e elementos da PJM.

O advogado do agora ex-diretor da PJM anunciou, então, que ia recorrer da decisão de prisão preventiva decretada ao seu cliente.

A Polícia Judiciária (PJ) deteve na terça-feira, no âmbito da Operação Húbris, o diretor da PJM, Luís Vieira, outros três responsáveis da PJM, um civil e três elementos do Núcleo de Investigação Criminal da GNR de Loulé.

Segundo o Ministério Público, em causa estão "factos suscetíveis de integrarem crimes de associação criminosa, denegação de justiça, prevaricação, falsificação de documentos, tráfico de influência, favorecimento pessoal praticado por funcionário, abuso de poder, recetação, detenção de arma proibida e tráfico de armas".

No âmbito desta investigação é também alvo de um pedido de detenção um militar português que está em missão na República Centro-Africana.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.